sicnot

Perfil

Mundo

Festival de carne de cão na China arranca amanhã apesar dos protestos

A localidade chinesa de Yulin, na província de Guangxi, sudoeste da China, prepara-se hoje para o "Festival de Carne de Cão", que se realiza na terça-feira, apesar dos insistentes protestos de organizações amigas dos animais.

Yulin, na província de Guangxi, organiza o festival de carne de cão pelo solstício de verão, desencadeando uma onda de revolta em todo o mundo, com grupos de defesa dos direitos dos animais a procurarem travar o que designam de "festival da crueldade".

Yulin, na província de Guangxi, organiza o festival de carne de cão pelo solstício de verão, desencadeando uma onda de revolta em todo o mundo, com grupos de defesa dos direitos dos animais a procurarem travar o que designam de "festival da crueldade".

reuters

Milhares de cães serão sacrificados como parte de um ritual que todos os anos se cumpre naquela localidade, no solstício de verão, e que as petições 'online' classificam como espetáculo bárbaro e cruel.

Segundo descreveu a agência espanhola EFE, no mercado local de Dashichang vários ativistas conseguiram ainda libertar alguns dos cães enjaulados.

No conjunto, a organização Humane Society Internacional (HSI) conseguiu resgatar, até hoje, 54 cães e gatos, escreve a agência.

Nos últimos anos, vendedores de carne de cão e ativistas chegaram a entrar em confronto e hoje alguns restaurantes e vendedores optaram por esconder os cartazes onde anunciam a sua "especiaria".

No mercado de Dongkou, onde se vende a carne já depois de morto o animal, o ambiente é semelhante a outros mercados ao ar livre da China.

Porém, é ainda possível identificar os cães, esfolados ou queimados, pendurados em ganchos pela boca e preparados para serem cortados e servidos aos clientes.

O festival é controverso não só por servir carne de cão - comum a muitos países da Ásia - mas pela origem dos animais: a Fundação de Animais da Ásia estima que a maioria eram cães vadios ou domésticos que foram roubados aos donos.

"O cumprimento da lei é da responsabilidade do Governo chinês, mas até agora as autoridades têm ignorado. Por isso, os ativistas chineses optam por ir até às estradas e bloquear a passagem de camiões carregados de cães obtidos de forma ilegal", escreveu a HSI em comunicado.

Este ano, as autoridades puseram barreiras nas vias de acesso ao município, respondendo ao apelo de algumas destas organizações, mas os ativistas pedem "uma ordem para encerrar definitivamente os matadouros".

Lusa

  • DIRETO: Célula terrorista preparava grande atentado na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das vítimas mortais do atentado em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. A polícia procura quatro jovens e há outras quatro detenções confirmadas. Os autores dos ataques na Catalunha, que mataram 14 pessoas e feriram 140, pertenciam ao mesmo grupo. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55

    País

    As temperaturas altas e o vento forte estão a provocar reacendimentos em Mação. No terreno mantêm-se cerca de 800 bombeiros, numa altura que que há receio que as chamas voltem a ficar ativas, como explica o repórter Rui Carlos Teixeira.