sicnot

Perfil

Mundo

Festival de carne de cão na China arranca amanhã apesar dos protestos

A localidade chinesa de Yulin, na província de Guangxi, sudoeste da China, prepara-se hoje para o "Festival de Carne de Cão", que se realiza na terça-feira, apesar dos insistentes protestos de organizações amigas dos animais.

Yulin, na província de Guangxi, organiza o festival de carne de cão pelo solstício de verão, desencadeando uma onda de revolta em todo o mundo, com grupos de defesa dos direitos dos animais a procurarem travar o que designam de "festival da crueldade".

Yulin, na província de Guangxi, organiza o festival de carne de cão pelo solstício de verão, desencadeando uma onda de revolta em todo o mundo, com grupos de defesa dos direitos dos animais a procurarem travar o que designam de "festival da crueldade".

reuters

Milhares de cães serão sacrificados como parte de um ritual que todos os anos se cumpre naquela localidade, no solstício de verão, e que as petições 'online' classificam como espetáculo bárbaro e cruel.

Segundo descreveu a agência espanhola EFE, no mercado local de Dashichang vários ativistas conseguiram ainda libertar alguns dos cães enjaulados.

No conjunto, a organização Humane Society Internacional (HSI) conseguiu resgatar, até hoje, 54 cães e gatos, escreve a agência.

Nos últimos anos, vendedores de carne de cão e ativistas chegaram a entrar em confronto e hoje alguns restaurantes e vendedores optaram por esconder os cartazes onde anunciam a sua "especiaria".

No mercado de Dongkou, onde se vende a carne já depois de morto o animal, o ambiente é semelhante a outros mercados ao ar livre da China.

Porém, é ainda possível identificar os cães, esfolados ou queimados, pendurados em ganchos pela boca e preparados para serem cortados e servidos aos clientes.

O festival é controverso não só por servir carne de cão - comum a muitos países da Ásia - mas pela origem dos animais: a Fundação de Animais da Ásia estima que a maioria eram cães vadios ou domésticos que foram roubados aos donos.

"O cumprimento da lei é da responsabilidade do Governo chinês, mas até agora as autoridades têm ignorado. Por isso, os ativistas chineses optam por ir até às estradas e bloquear a passagem de camiões carregados de cães obtidos de forma ilegal", escreveu a HSI em comunicado.

Este ano, as autoridades puseram barreiras nas vias de acesso ao município, respondendo ao apelo de algumas destas organizações, mas os ativistas pedem "uma ordem para encerrar definitivamente os matadouros".

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41