sicnot

Perfil

Mundo

Seis mortos e mais de cem feridos em protesto de professores no México

Seis pessoas morreram e mais de cem ficaram feridas no sul do México no domingo num protesto de professores, quando homens armados abriram fogo sobre a multidão, num momento em que manifestantes e polícia entraram em confronto.

© Stringer . / Reuters

A polícia lançou gás lacrimogéneo contra os manifestantes com o objetivo de pôr fim a uma barricada que bloqueou, durante uma semana, uma rua em Asuncion Nochixtlan, cidade do estado de Oaxaca, onde alguns veículos foram queimados.

O Sindicato Coordenador Nacional de Trabalhadores de Educação tem liderado os protestos contra uma reforma educativa e contra a detenção de dois dos seus líderes.

A Comissão Nacional de Segurança negou que os agentes estivessem armados, dizendo que as fotografias em que surgiam com armas eram "falsas".

Mais tarde, o chefe da polícia federal, Enrique Galindo, disse que uma unidade armada foi destacada depois de pessoas não identificadas terem "disparado sobre a polícia e a população".

"Há relatos da presença de vários grupos violentos que lideraram os bloqueios da estrada e instalações estratégicas por vários dias", indicou o Governo federal e estadual num comunicado conjunto, instando o Coordenador Nacional de Trabalhadores de Educação a distanciar-se destes grupos não identificados.

Uma das vítimas mortais é o jornalista Elidio Ramos Zárate, assassinado enquanto cobria o protesto, segundo confirmou à agência de notícias Efe o diretor do jornal para onde trabalhava, El Sur.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.