sicnot

Perfil

Mundo

Supercomputador mais rápido do mundo é chinês

A China construiu o supercomputador mais rápido do mundo recorrendo apenas a microchips fabricados no país, conseguindo posicionar-se assim pela primeira vez no topo da indústria sem utilizar tecnologia norte-americana, revelou hoje uma pesquisa.

NATIONAL SUPERCOMPUTING CENTER / HANDOUT

O Sunway TaihuLight é duas vezes mais rápido do que o anterior recordista, que foi fabricado na China com chips da firma norte-americana Intel, indicou o estudo Top500, publicado no portal supercomputadores www.top500.org.

Com 167 supercomputadores, o país asiático ultrapassou também os EUA pela primeira vez em número total daquelas máquinas, indica a pesquisa.

O Sunway TaihuLight opera no centro nacional da China para supercomputadores, na cidade de Wuxi, leste do país, e será utilizado para modelização climática e pesquisa científica.

A sua performance acaba com a "especulação de que a China precisará de depender de tecnologia ocidental para competir efetivamente no alto nível da supercomputação", refere a pesquisa.

Os supercomputadores que fazem parte daquela lista, que é realizada anualmente, são classificados de acordo com a velocidade atingida num teste conduzido por especialistas da Alemanha e EUA.

Entre os dez computadores mais rápidos do mundo, dois estão na China, quatro nos EUA, e os restantes no Japão, Alemanha, Suíça e Arábia Saudita.

A China tem realizado grandes investimentos nas áreas da ciência e tecnologia, ilustrando a transição económica preconizada por Pequim, que prevê a transformação do país num líder do setor tecnológico.

Para este ano está ainda prevista a abertura do maior radiotelescópio do mundo, no sudeste do país, segundo a imprensa estatal.


Lusa

  • Autocarro do futuro circula por cima dos carros
    1:11

    Mundo

    O autocarro do futuro foi apresentado na Feira de Ciência e Tecnologia de Pequim, na ChinaChama-se "bus-way" e mistura conceitos de metro e autocarro. Prevê transportar 1.200 pessoas e resolver problemas de tráfego no país mais populoso do mundo. e reduzir a poluição. Circula num sistema de carris por cima da estrada e dos carros. A altura vai variar entre 4,5m e 4,7m e a largura será de 7,8 m. A parte que permite passar sobre o trânsito estará a cerca de dois metros de altura do solo.O primeiro teste deverá ser feito em 2017 na cidade de Qinhuangdao, na província de Hebei, no norte do país.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59