sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte ameaça não libertar mais presos norte-americanos

A Coreia do Norte ameaçou manter encarcerados para sempre dois norte-americanos detidos no país, caso o missionário cristão Kenneth Bae, libertado em 2014, continue a criticar publicamente o regime de Kim Jong-un.

© KCNA KCNA / Reuters

O Governo de Pyongyang "não manterá nenhum compromisso ou negociação com os Estados Unidos sobre o tema dos criminosos norte-americanos, nem tomará qualquer medida humanitária se Bae Ho Jun [nome coreano de Kenneth Bae] continuar a balbuciar calúnias contra a RPDC [Coreia do Norte]", indicou hoje a agência KCNA.

"Deste modo, os criminosos norte-americanos que hoje se encontram detidos na RPDC nunca poderão voltar aos Estados Unidos", escreveu a agência norte-coreana.

O regime de Kim Jong-un sublinha que "a clarificação desta posição não é uma simples advertência" e acusou o Governo dos Estados Unidos da América de estarem por detrás da campanha de "falsa propaganda" contra a Coreia do Norte, levada a cabo por Kenneth Bae desde a sua libertação.

Base, que foi libertado em novembro de 2014 após cumprir dois dos 15 anos da sua sentença por alegadamente promover o cristianismo na Coreia do Norte, publicou recentemente um livro sobre a sua experiência como recluso no país comunista e criticou em várias ocasiões os abusos de direitos humanos do regime.

A Coreia do Norte insiste que "tudo foi dado a Bae durante a vida na prisão, do ponto de vista humanitário", acusando o missionário de ser mal-agradecido e apelidando-o de "Judas".

Por seu lado, o Governo dos Estados Unidos reagiu ao novo ultimato da Coreia do Norte com um comunicado em que defendeu a "liberdade de expressão" de Kenneth Bae para criticar o regime de Kim.

Washington pediu também a Pyongyang que "conceda uma amnistia especial e liberte imediatamente, por motivos humanitários", os norte-americanos que continuam detidos na Coreia do Norte.

Um deles é Otto Frederick Warmbier, estudante de 21 anos da Universidade da Virgínia, condenado em março a 15 anos de trabalhos forçados por tentar roubar um cartaz de propaganda política no seu hotel em Pyongyang.

O outro é Kim Dong-chul, norte-americano de origem coreana, de 62 anos, condenado a dez anos de trabalhos forçados por alegadamente ter organizado "um plano de espionagem subversivo" para "derrubar o sistema social" da Coreia do Norte.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.