sicnot

Perfil

Mundo

Festival de carne de cão na China atrai multidão apesar dos protestos

Uma multidão de pessoas acorreu hoje ao mais mediático "Festival de Carne de Cão" da China, que se realiza anualmente na localidade de Yulin, província de Guangxi (sudoeste), apesar dos insistentes protestos de organizações amigas dos animais.

© Tony Gentile / Reuters

Mais de 10.000 cães são mortos durante o evento em condições que os ativistas classificam como espetáculo bárbaro, com os animais a serem espancados e cozidos vivos na crença que, enquanto mais aterrorizados estiverem, mais apetitosa é a carne.

"Está muita gente no mercado de carne de cão de Dongkou", descreveu Peter Li, da organização Humane Society Internacional (HSI) à agência France Presse.

O governo local encarregou polícias à paisana para controlar grupos de fora e evitar confrontos entre defensores dos direitos dos animais e os vendedores, afirmou Li, acrescentando que um dos comerciantes brandiu uma faca aos jornalistas.

O evento continua a realizar-se, apesar da petição assinada por 11 milhões de pessoas e enviada pela HSI ao Presidente chinês, Xi Jinping, a exigir o fim do festival e vídeos com apelos feitos por celebridades como Matt Damon e Rooney Mara.

Um editorial do jornal oficial Global Times acusou na semana passada os ativistas estrangeiros de praticar um tipo de "extremismo cultural".

"Os ocidentais agora exigem que os não ocidentais mudem os seus hábitos alimentares, porque acham que a sua cultura e sentimentos merecem mais respeito", afirmou.

O consumo de carne é comum em muitas partes do sul da China.

Alguns locais argumentam que os protestos têm o efeito perverso de trazer mais gente ao festival, mas os ativistas argumentam que há menos vendedores este ano.

"Há dois grupos de pessoas a comer cão: os que realmente adoram carne de cão e os consumidores políticos, que comem por orgulho regional e num sinal de desprezo por quem vem de fora", descreveu Peter Li.

Este ano, as autoridades puseram barreiras nas vias de acesso ao município, visando travar a entrada de cães roubados ou não registados, mas os ativistas pedem "uma ordem para encerrar definitivamente os matadouros".

Questionada sobre a oposição internacional ao festival, a porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês Hua Chunying negou que se trate de um evento oficial, afirmando que o governo de Yulin nunca "apoiou, organizou ou acolheu o chamado Festival da Carne de Cão".

"É uma preferência alimentar. Não existe um festival com esse nome", disse.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Presidente da Câmara de Nova Iorque confirma "atentado terrorista falhado"
    0:29
  • Israel volta a bombardear posições do Hamas em Gaza

    Mundo

    O exército israelita voltou a bombardear esta segunda-feira posições do movimento Hamas na Faixa de Gaza em resposta ao lançamento de projéteis em direção a Israel pelas milícias palestinianas, informou um comunicado militar.

  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.