sicnot

Perfil

Mundo

Jovens recrutas australianos foram vítimas de violações ao longo dos anos

Os jovens recrutas do exército australiano foram obrigados ao longo dos anos a sofrer ou a cometer violações, frequentemente com outras práticas violentas, revelou uma comissão de investigação.

Arquivo Reuters

A comissão de investigação real australiana começou hoje as audições públicas sobre o caso das Forças de Defesa Australianas (ADF, na sigla em inglês), como resposta institucional aos abusos sexuais cometidos contra os jovens e depois de ter investigado os abusos cometidos em organizações religiosas, escolas e serviços sociais.

A comissão vai debruçar-se principalmente sobre dois centros de formação em serviço entre os anos 1960 e 1980: o HMAS Leeuwin, na Austrália Ocidental, onde se formaram os recrutas da marinha, e uma escola militar em Balcome, do estado de Vitória.

Segundo o advogado Angus Stewart, a comissão foi contactada por 111 pessoas sobre o assunto dos abusos cometido sobre os menores no seio da ADF, das quais cerca de metade são de Leeuwin e de Balcombe.

"A comissão real ouvirá que a maior parte dos abusos foram cometidos por recrutas mais velhos (...) sobre os recrutas mais novos, no quadro de práticas destinadas a submeter e humilhar os recém-chegados", disse.

Entre esses abusos, o advogado deu alguns exemplos, citando que cobriam as partes genitais dos mais novos com cera de depilação ou pasta de dentes, que lhes prendiam as partes genitais no banho ou forçavam-nos a pôr a cabeça em sanitas sujas.

"Os sobreviventes disseram que foram sujeitos a formas graves de abusos sexuais, incluindo toques, sexo oral ou relações anais ativas e passivas durante os seis primeiros meses em Leewin", continuou Angus Stewart.

As vítimas raramente se atrevem a denunciar os abusos, acrescentou. Aqueles que o fazem deparam-se com descrença, ao dizerem-lhes que se tratava de um "ritual de passagem".

CJA - que tinha 16 anos no momento desses abusos, em 1967 -- vai explicar de que forma as suas queixas não deram em nada e como é que ele foi considerado como uma fonte de problemas, acrescentou o advogado.

A comissão de investigação vai também examinar a situação com a instituição de cadetes do exército a partir do ano de 2000.

Nestes últimos cinco anos, o exército australiano foi objeto de duas investigações por abuso, na sequência de queixas datadas dos anos 1940. As ADF fizeram, desde então, uma série de reformas.

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.