sicnot

Perfil

Mundo

Costa do Marfim quer aderir à CPLP com o estatuto de observador

A Costa do Marfim manifestou o desejo de aderir, com o estatuto de observador, à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), disse hoje à agência Lusa, em Lisboa o primeiro-ministro marfinense.

2002 - O Conselho de Ministros da CPLP aprova a criação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa.

2002 - O Conselho de Ministros da CPLP aprova a criação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa.

LUSA

Daniel Kablan Duncan, que iniciou hoje uma visita de trabalho de dois dias a Portugal, falava à Lusa no final da inauguração da embaixada da Costa do Marfim em Lisboa, que põe termo ao estatuto de consulado na capital portuguesa Lisboa, aberto em 1985, mantendo-se, porém, o do Porto.

"Estamos a tratar do assunto com autoridades da CPLP e abordamos a questão com Portugal", afirmou Daniel Duncan, escusando-se a adiantar pormenores sobre um assunto que, momentos antes, já fora abordado pelo embaixador marfinense agora acreditado em Portugal, Koffi Fana Theodore, numa intervenção na cerimónia.

A inauguração ocorreu 27 anos depois de Portugal ter aberto a embaixada em Abidjan, a 22 de novembro de 1989, dois dias antes da única visita de um chefe de Estado português à Costa do Marfim (pelo então presidente Mário Soares), e 40 anos após o estabelecimento de relações diplomáticas, a 29 de janeiro de 1975.

Daniel Duncan, nomeado primeiro-ministro pelo presidente marfinense, Alassane Ouattara, em novembro de 2012, congratulou-se com a inauguração da nova missão diplomática, salientando ser vontade das autoridades de Abidjan criar uma "parceria estratégica" com Portugal.

Ao discursar na inauguração, Daniel Duncan destacou também a importância da deslocação a Portugal, manifestando-se "otimista" no "reforço e na consolidação" das relações bilaterais, sobretudo depois de ter ficado acordado com Lisboa o retomar as ligações aéreas diretas da TAP entre as duas capitais, suspensas em 2000.

Por seu lado, o novo diplomata marfinense em Lisboa apelou aos empresários portugueses a investirem na Costa do Marfim, país cuja economia está em "franco desenvolvimento" - a taxa de crescimento anual é de 9% -, destacando, paralelamente, o "elevado potencial" do seu país.

"Queremos uma parceria estratégica, um laboratório de cooperação muito dinâmico, sobretudo nas trocas comerciais, na área da segurança e noutras", sublinhou, destacando as duas missões empresariais "promissoras" feitas recentemente à Costa do Marfim por homens de negócio do Porto e do Algarve.

Na cerimónia, o primeiro-ministro marfinense condecorou com a Ordem de Ouro e de Mérito da Costa do Marfim os dois cônsules honorários em Portugal, Manuel Pinto Ribeiro (Lisboa) e Manuel Ramos da Silveira (Porto), destacando o "trabalho persistente" de ambos na construção das relações institucionais e económicas bilaterais.

No Porto, onde estará quinta-feira, participará no Fórum Económico Portugal/Costa do Marfim, que discutirá oportunidades de investimento e de cooperação entre os dois países.

Durante a estada em Portugal, Daniel Duncan foi recebido, de manhã, pelo homólogo português, António Costa, tendo sido assinados cinco acordos, um deles que retoma os voos diretos entre as duas capitais, iniciados em 1989 mas suspensos em 2000 devido à instabilidade político-militar que então assolava o país africano.

Duncan, que lidera uma delegação que inclui os ministros dos Negócios Estrangeiros, Economia e Finanças, Transportes e Indústria e Minas, terá encontros com representantes de várias empresas portuguesas, como a Mota Engil, TAP, Porto de Sines, Efacec, Millennium BCP, Novo Banco e Bial, esta última já na Costa do Marfim.

As trocas comerciais bilaterais são deficitárias para Portugal, que, segundo dados de 2013, importou bens marfinenses no valor de 16,4 milhões de euros, exportando para o país africano mercadorias no valor de 4,5 milhões de euros.

Daniel Duncan, além de chefe do executivo de Abidjan, é especialista em Economia Africana, tendo trabalhado com o Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central dos Estados África Ocidental (BCEAO) e, em 1993, foi ministro da Economia e Finanças quando Ouattara foi primeiro-ministro.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.