sicnot

Perfil

Mundo

NATO condena lançamento de mísseis pela Coreia do Norte

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou hoje os novos lançamentos de mísseis de médio alcance pela Coreia do Norte, que classificou como "ações provocatórias" e que violam resoluções da ONU.

© Francois Lenoir / Reuters

"Os lançamentos são uma violação direta de várias resoluções das Nações Unidas", incluindo uma adotada em março, que pedem a Pyongyang que cesse todas as atividades com mísseis balísticos, considerou Stoltenberg, num comunicado.

A Coreia do Norte procedeu hoje a um segundo ensaio de um míssil Musudan de médio alcance, pouco depois de ter falhado o primeiro disparo, divulgou a agência noticiosa sul-coreana, Yonhap.

O Ministério da Defesa da Coreia do Sul confirmou um teste, adiantando que terminou em fracasso, mas não confirmou imediatamente o segundo disparo, que a Yonhap noticiou sem fonte.

Lusa

  • Encontrada criança britânica desaparecida na praia da Luz

    País

    Foi encontrada a criança britânica que estava desaparecida desde o início da tarde, avançaram as autoridades. A Polícia Marítima tinha sido informada do desaparecimento de um rapaz de 8 anos, de nacionalidade inglesa, tendo efetuado diligências nas proximidades da praia algarvia.

    Em atualização

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Várias casas evacuadas devido a chuvas fortes na Alemanha
    0:54
  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.