sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede à comunidade internacional que apoie civis iraquianos que fugiram de Fallujah

O Conselho de Segurança da ONU instou, na terça-feira, a comunidade internacional a cumprir a sua "obrigação moral e política" de ajudar os civis iraquianos que fugiram de Fallujah devido a uma operação contra o Estado Islâmico.

REUTERS

Os membros do Conselho aplaudiram "a contraofensiva bem-sucedida" lançada pelas forças iraquianas e os seus parceiros de coligação a 22 e 23 de maio, com o objetivo de recuperar Fallujah, um bastião dos extremistas que estava tomado há meses.

O grupo Estado Islâmico perdeu 45% do território que controlava, apontou o embaixador francês Francois Delattre, que ocupa atualmente a presidência rotativa do Conselho.

No entanto, mais de 60 mil pessoas foram forçadas a deixar as suas casas nesta zona no último mês, causando dificuldades no trabalho de apoio humanitário.

Milhares de famílias não têm nada que comer ou qualquer lugar para dormir.

A agência para os refugiados da ONU indicou que serão necessários mais 20 campos nas próximas semanas para acolher os deslocados, acrescentando que é "urgente" disponibilizar 17,5 milhões de dólares para responder às necessidades imediatas.

Os países que apoiam o Iraque têm "uma obrigação moral e política" de ajudar os que mais precisam e garantir que "aqueles que fugiram dos combates em Fallujah e em torno de Fallujah não vão sofrer duas vezes", disse Delattre.

O embaixador acrescentou que todas as partes envolvidas devem "respeitar as suas obrigações no que toca à lei internacional humanitária".

"É crucial que o Estado iraquiano garanta que não há qualquer retaliação contra a população civil por grupos paramilitares", afirmou.

O primeiro-ministro Haider al-Abadi declarou vitória em Fallujah na semana passada, após a bandeira nacional ter sido içada no principal complexo governamental.

Lusa

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52