sicnot

Perfil

Mundo

Vai ser criada uma guarda costeira europeia

O Conselho, a Comissão e o Parlamento Europeu chegaram a acordo, aprovado hoje pelo Conselho, sobre a proposta de criar uma Guarda Europeia Fronteiriça e Costeira e reforçar a agência de fronteiras a partir do verão.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

A nova guarda irá combinar uma reforçada agência de gestão de fronteiras (Frontex) com a capacidade de recorrer uma reserva de recursos humanos e equipamentos, continuando os Estados-membros a manter competência e soberania sobre as suas fronteiras, divulgou hoje o executivo comunitário.

"Fundamentalmente, a Guarda Europeia Fronteiriça e Costeira vai providenciar apoio a todos os Estados-Membros e irá identificar e intervir para corrigir antecipadamente pontos fracos e não quando já é demasiado tarde", lê-se no texto sobre o anúncio do acordo.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, comentou que este acordo mostra que a Europa "é capaz de agir com rapidez e determinação para lidar com desafios comuns".

O responsável lembrou que durante a sua campanha eleitoral já tinha defendido a necessidade de fortalecer a FRONTEX e transformá-la num sistema de guarda costeira europeia.

O anúncio para a criação aconteceu em setembro, durante o discurso sobre o Estado da União, no âmbito da Agenda da Migração, tendo-se seguido a apresentação da proposta legislativa em dezembro de 2015.

A principal polémica durante o processo foi a possibilidade, em casos excecionais, desta guarda intervir sem o pedido do país em questão.

O objetivo afirmado foi a criação da nova guarda até ao final da presidência holandesa da uNião Europeia, que termina o mandato rotativo em julho.

Este acordo entre as instituições deverá agora ser confirmado através de votação na comissão do Parlamento Europeu de Liberdades Civis na 27 de junho e se aprovado irá à sessão plenária de julho, em Estrasburgo.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC