sicnot

Perfil

Mundo

NASA estende a missão do telescópio Hubble até 2021

A Agência Espacial dos Estados Unidos (NASA) anunciou hoje que vai estender a missão do telescópio espacial Hubble por mais cinco anos, até 2021.

© Ho New / Reuters

Esta medida significa que o Hubble, que foi posto em órbita em 1990, continuará a sua atividade quando, em 2018, a NASA colocar em órbita o seu sucessor, o telescópio espacial James Webb.

Após a última reparação espacial em 2009 e o fim das missões dos vaivém espaciais em 2011, que permitiram realizar missões de melhoria tecnológica, o Hubble não pode receber mais mantimentos.

Não obstante, os cientistas da NASA consideram que o Hubble pode continuar em órbita, para além do prazo inicialmente estabelecido, e a explorar as partes mais obscuras do universo.

"O Hubble poderá continuar a fornecer dados até aos anos de 2020 e assegurará o seu lugar na história como um dos grandes observatórios em temas que vão desde a observação do sistema solar à observação do universo mais distante", afirmou a NASA em comunicado.

De modo a aumentar a missão são necessários cerca de 200 milhões de dólares (cerca de 180 milhões de euros) em investimentos.

O Hubble obtém informação no espetro visível e ultravioleta enquanto o telescópio James Webb operará na banda infravermelha. Este desempenho permitirá realizar comparações e observações mais aprofundadas do universo.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.