sicnot

Perfil

Mundo

Ataque a um hotel na capital da Somália com registo de explosões e tiros

Um hotel da capital da Somália, Mogadíscio, estava a ser alvo hoje à tarde de um ataque, com o registo de uma forte explosão e vários tiros de armas automáticas, segundo testemunhos locais, citados pela agência francesa AFP.

© Feisal Omar / Reuters

"Há registo de tiros no interior do hotel. Os tiros começaram após uma forte explosão", relatou à AFP Abdihafid Mudey, um homem que vive perto do hotel atacado, o Naasa Hablood.

"Não sabemos o que está a acontecer, porque estamos deitados no chão" por motivos de proteção, acrescentou a testemunha.

Várias fontes dos serviços locais de segurança confirmaram à AFP que um ataque estava em curso no hotel, mas não adiantaram mais pormenores.

Por volta das 16:30 hora local (14:30 hora de Lisboa) os correspondentes da AFP em Mogadíscio ouviram uma forte de explosão. Um repórter fotográfico da agência noticiosa francesa deslocou-se à zona do hotel e ouviu vários tiros de armas automáticas.

Este ataque acontece pouco mais de três semanas depois de um outro ataque que teve como alvo o hotel Ambassador, também em Mogadíscio. No ataque de 01 de junho morreram 10 pessoas.

O Naasa Hablood é um hotel muito frequentado por políticos e residentes estrangeiros. Está situado na zona norte da capital.

Nos últimos meses, os insurgentes islâmicos somalis 'shebab', que juraram destruir o governo da Somália, realizaram vários ataques contra restaurantes e certos hotéis de Mogadíscio.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.