sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 47 mortos em raides aéreos russos na região leste da Síria

Pelo menos 47 pessoas, incluindo 31 civis, foram hoje mortas em ataques da aviação russa e síria contra uma localidade da província de Deir Ezzor, zona no leste da Síria controlada pelo Daesh.

Arquivo

Arquivo

© Alaa Faqir / Reuters

"Três raides da aviação russa e síria contra a localidade de Al-Kouriyé, a sudeste da cidade de Deir Ezzor, mataram 31 civis", informou o Observatório sírio dos Direitos Humanos (OSDH), uma organização não-governamental (ONG) com sede em Londres.

"Em outro ataque, outras 16 pessoas morreram sem sabermos se são civis ou jihadistas do Daesh, porque os corpos não foram identificados", acrescentou a organização.

Os raides aéreos visaram bairros residenciais, localizados numa zona onde fica a mesquita de Al-Kouriyé.

A intervenção das forças aéreas russas na Síria teve início a 30 de setembro de 2015 e foi feita a pedido do Presidente sírio, Bashar al-Assad, no âmbito da luta contra o terrorismo naquele país.

A Rússia, aliado tradicional do regime de Damasco, anunciou em março último uma retirada parcial das forças destacadas.

A revolta popular pacífica contra o regime sírio em 2011 transformou-se num conflito armado, cujos contornos ficaram ainda mais complexos com a ascensão dos jihadistas do Daesh e das ramificações da rede terrorista Al-Qaida e com a multiplicação dos atores locais, regionais e internacionais.

O conflito sírio já matou mais de 280 mil pessoas e fez milhões de deslocados desde o seu início em março de 2011.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.