sicnot

Perfil

Mundo

PP volta a ganhar eleições em Espanha sem maioria

O Partido Popular (PP, direita) é o grande vencedor das eleições legislativas espanholas, apesar de não obter a maioria absoluta, sendo o único partido a ganhar percentagem de votos e lugares no parlamento, em relação às eleições anteriores, de dezembro.

© Vincent West / Reuters

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) conseguiu evitar o que todos estavam à espera, o ser ultrapassado pela coligação de esquerda Unidos Podemos (uma aliança de radicais de esquerda, comunistas, ecologistas e partidos regionais), mas perde lugares na assembleia, apesar de ver aumentado ligeiramente a percentagem de votos.

Os partidos tradicionais do sistema político espanhol (PP e PSOE) conseguiram parar o movimento que parecia irreversível no sentido do aumento de votos dos novos partidos, a Unidos Podemos e partido de centro-direita Ciudadanos do centro).

Ainda não é possível prever qual será a coligação que irá permitir uma solução governativa, que não foi possível construir na sequência das últimas eleições, em 20 de dezembro último.

Segunda-feira inicia-se um período de negociações para tentar desbloquear esse impasse político, tendo todas os partidos garantido nos últimos dias da campanha eleitoral que não seria necessário repetir as eleições pela terceira vez.

Com 98,78% dos votos escrutinados o PP tinha 33,0% dos votos (28,71 em dezembro) e 137 lugares no Congresso dos Deputado, enquanto o PSOE obteve 22,70% dos votos (22% em dezembro) e 85 lugares (90).

Por seu lado, a Unidos Podemos chego aos 21,13% e 71 lugares e o Ciudadanos obtinha 13,03% (13,94%) e 32 (40) lugares.

O Congresso dos Deputados tem 350 lugares e a maioria é alcançada com metade mais um (176) desse número.

Última atualização às 23:40

Com Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.