sicnot

Perfil

Mundo

Armas da CIA e da Arábia Saudita para rebeldes sírios roubadas por agentes jordanos

Inúmeras armas enviadas pela CIA e pela Arábia Saudita para a Jordânia destinadas aos rebeldes sírios foram roubadas e vendidas no mercado negro por agentes jordanos, revela uma investigação conjunta do The New York Times e Al Jazeera.

Reuters

O roubo e a revenda de armas, incluindo 'Kalashnikov', morteiros e granadas, deram lugar a uma avalancha de novas armas no mercado negro, segundo informaram funcionários norte-americanos e jordanos, aos dois órgãos de comunicação social.

Algumas das armas roubadas por agentes dos serviços secretos jordanos foram utilizadas num tiroteio, ocorrido em novembro, em que cinco pessoas, incluindo dois norte-americanos, morreram num centro de formação da polícia de Amã, segundo fontes citadas na investigação divulgada este domingo.

Os investigadores não sabem o que foi feito da maior parte das armas, que acabaram nas mãos de diversos grupos, incluindo de redes criminosas e tribos rurais jordanas que utilizam bazares de armas para montarem os seus arsenais, acrescentaram os dois órgãos.

Os traficantes de armas também as compram nos bazares para as enviar depois para fora da Jordânia, segundo a investigação.

O roubo sistemático coloca em relevo, segundo os 'media', as consequências não previstas dos programas para armar e treinar os rebeldes sírios contrários ao Governo -- o tipo de programa que a CIA e o Pentágono levam a cabo ao longo de décadas.

Fontes governamentais jordanas afirmaram ser "absolutamente incorreta" a informação de que existem agentes implicados nos roubos de armas.

A Agência Central de Informação dos Estados Unidos (CIA), por seu lado, não quis tecer comentários relativamente à investigação, de acordo com o jornal norte-americano.

O programa de formação, que em 2013 começou a armar diretamente os rebeldes sírios é dirigido pela CIA e por vários serviços de informações árabes, com o objetivo de criar forças que se opõem ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, acrescenta o diário norte-americano.

Estados Unidos e Arábia Saudita são os maiores contribuintes, com os sauditas a fornecer armas e grandes somas de dinheiro e a CIA agentes paramilitares que tomam a iniciativa na formação dos rebeldes para usar Kalashnikov, morteiros, mísseis antitanque guiados e outras armas, segundo o The New York Times.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59