sicnot

Perfil

Mundo

Chile proíbe venda de Kinder Surpresa na luta contra a obesidade

O Chile adotou hoje uma legislação alimentar restritiva para lutar contra a obesidade, obrigando a indicar nos rótulos as taxas de açúcar e de gorduras saturadas e proibindo a venda dos Kinder Surpresa.

© Stefano Rellandini / Reuters

"O Chile posiciona-se como um país pioneiro no mundo no que diz respeito a uma alimentação saudável", salientou a ministra da Saúde Carmen Castillo num comunicado.

O país, considerado um modelo de crescimento económico na América latina, é também um dos principais consumidores de bebidas açucaradas da região e mais de 60% dos chilenos (entre os quais um terço de crianças com menos de seis anos) têm excesso de peso.

A lei que entrou hoje em vigor levou cinco anos a ser aprovada, mais quatro anos para dar tempo à indústria agroalimentar, que fez uma pressão intensa, de se adaptar.

Promete revolucionar os rótulos dos produtos vendidos nas lojas que vão passar a indicar os alimentos ricos em gorduras saturadas, açucares, sódio e calorias.

O objetivo é antes de tudo proteger as crianças, impedindo a venda de alimentos prejudiciais à saúde na escola. Estes deixarão de poder ser acompanhados de brinquedos como o Kinder Surpresa ou o Happy Meal da McDonald's.

Mas se a cadeia de 'fast food' norte-americana vai reformular o seu menu para crianças e retirar este brinquedo, a italiana Ferrero deixará de ter acesso ao mercado chileno.

O fabricante já disse que se reserva o direito de recorrer à justiça nacional e internacional com o argumento de que a lei "afeta a reputação de um dos seus produtos mais populares".

O fabricante de chocolate italiano, que lançou o seu famoso em 1972, já não pode ser comercializado nos Estados Unidos, devido a um regulamento de 1938 que proíbe associar a um alimento qualquer outra substância (neste caso, um brinquedo).

Os outros alimentos considerados prejudiciais deverão ser adaptados, com 8.000 produtos a receber uma nova embalagem.

O avanço do excesso de peso e obesidade no Chile prende-se com alterações do regime alimentar com um consumo a privilegiar os alimentos transformados e uma vida sedentária, graças ao forte crescimento económico.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24