sicnot

Perfil

Mundo

Governo turco critica Papa por falar de "genocídio arménio"

O Papa Francisco não está a ajudar o processo de paz no Cáucaso do Sul, ao usar a palavra 'genocídio arménio' durante a visita à Arménia na sexta-feira, advertiu hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros turco.

reuters

"Vemos com tristeza que a visita do Papa à Arménia, neste momento crítico, não contribui em nada para a paz e a estabilidade necessária ao Cáucaso do Sul", garantiu, em comunicado, o ministério, em relação aos últimos combates e negociações entre a Arménia e o Azerbaijão sobre o Nagorno-Karabakh.

No texto, o ministério turco lamentou que Francisco "adote incondicionalmente" a visão da Arménia que - garantiu - "não corresponde nem à verdade histórica, nem à legalidade".

Desta maneira, o Papa "volta a fazer uma discriminação com base na religião", indicou a nota.

O governo turco espera que o Papa "mantenha uma atitude de mediador" com o "nobre princípio de deixar um futuro de amizade e paz às gerações vindouras", indicou.

No sábado, um dos cinco vice-primeiros-ministros turcos, Nurettin Canlikli, tinha qualificado o uso da palavra 'genocídio' pelo papa como uma "grande desgraça" que manifestava "uma mentalidade das Cruzadas".

No domingo, o Vaticano reagiu às acusações de Canlikli e afirmou que o papa "não faz cruzadas" nem falou contra a Turquia "num espírito de cruzada" quando pronunciou a palavra 'genocídio' durante a visita à Arménia.

"Se escutarem o Papa, não há nada [nas suas palavras] que evoque um espírito de cruzada. A sua vontade é de construir pontes em vez de muros. A sua verdadeira intenção é construir as bases para a paz e a reconciliação", afirmou o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, em declarações à comunicação social na capital arménia, Erevan.

De sexta-feira a domingo, Francisco visitou a Arménia, considerada como o primeiro Estado a ter adotado o cristianismo, no início do século IV.

Os arménios tentam há décadas que os massacres de 1915-17 sejam reconhecidos internacionalmente como genocídio, termo que a Turquia rejeita, garantindo que se tratou de uma tragédia coletiva durante a qual morreu um igual número de turcos e arménios.

Apenas cerca de 30 países reconheceram até hoje que os arménios foram vítimas de genocídio

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59