sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 35 mortos em ataques suicidas no Iémen

Vários atentados suicidas contra as tropas iemenitas mataram pelo menos 35 pessoas, na cidade do sudeste de Mukalla, um ex-bastião da Al-Qaeda, afirmou um oficial de saúde.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Cerca de 25 outras pessoas ficaram feridas nos atentados, na capital provincial de Hadramaute, declarou o chefe de saúde, Riad al-Jalili.

"Mulkalla foi palco de cinco atentados em quatro áreas", afirmou o governador, Ahmed Saeed bin Breyk.

Três atentados atingiram, em simultâneo, postos de segurança da cidade, no momento em que as tropas quebravam o jejum, no final do mês sagrado do Ramadão, disse um oficial de segurança.

O primeiro ataque, um bombista suicida numa mota pediu aos soldados se podia comer com eles antes de se fazer explodir, afirmou a mesma fonte.

Dois outros bombistas, que se encontravam a pé, abordaram sob o mesmo pretexto, soldados em outras partes da cidade antes de detonarem as bombas que levavam consigo. Outros dois homens explodiram os dispositivos à entrada de um acampamento do exército.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".