sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 35 mortos em ataques suicidas no Iémen

Vários atentados suicidas contra as tropas iemenitas mataram pelo menos 35 pessoas, na cidade do sudeste de Mukalla, um ex-bastião da Al-Qaeda, afirmou um oficial de saúde.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Cerca de 25 outras pessoas ficaram feridas nos atentados, na capital provincial de Hadramaute, declarou o chefe de saúde, Riad al-Jalili.

"Mulkalla foi palco de cinco atentados em quatro áreas", afirmou o governador, Ahmed Saeed bin Breyk.

Três atentados atingiram, em simultâneo, postos de segurança da cidade, no momento em que as tropas quebravam o jejum, no final do mês sagrado do Ramadão, disse um oficial de segurança.

O primeiro ataque, um bombista suicida numa mota pediu aos soldados se podia comer com eles antes de se fazer explodir, afirmou a mesma fonte.

Dois outros bombistas, que se encontravam a pé, abordaram sob o mesmo pretexto, soldados em outras partes da cidade antes de detonarem as bombas que levavam consigo. Outros dois homens explodiram os dispositivos à entrada de um acampamento do exército.

Lusa

  • 72 fogos em curso, pouco mais de 3.000 operacionais no terreno

    País

    A página da Internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil destaca esta manhã 72 incêndios em evolução, depois de durante a madrugada se ter registado um período sem fogos em curso. No domingo, as centenas de fogos que atingiram a região Norte e Centro causaram pelo menos 36 mortos.

  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Pelo menos 36 mortos nos incêndios
    1:15
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Centenas de animais mortos, cenário é "catastrófico"

    País

    Os incêndios que deflagraram no domingo causaram a morte a centenas de animais, havendo também muitos queimados e outros à solta, disse à Lusa o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários, descrevendo o cenário como "extremamente difícil".