sicnot

Perfil

Mundo

Polónia vai desmantelar monumentos que glorificam Exército vermelho

A Polónia vai desmantelar mais de 200 monumentos evocativos do Exército Vermelho e que recordam a influência soviética na Polónia após a Segunda guerra mundial, e transferi-los para um parque próprio.

Wojtek Jakubowski

"Não há motivo que os monumentos à memória do Exército vermelho, que invadiu o país por duas vezes [em 1920 durante a guerra polaco-bolchevique e em 1939 em simultâneo com a Alemanha de Hilter] e que é responsável por numerosos crimes após a guerra, sejam glorificados", considerou Pawel Ukielski, presidente-adjunto do Instituto polaco da memória nacional (IPN).

O projeto inscreve-se na nova abordagem histórica do partido nacionalista-conservador Direito e Justiça (PiS), que regressou ao poder em 2015 e que procura eliminar todos os vestígios associados ao antigo regime comunista.

"Não se tratam de monumentos erguidos nos cemitérios. Os túmulos dos soldados soviéticos que caíram durante a guerra continuam a ser protegidos pelo Estado polaco com o maior respeito", assegura o historiador.

Em contraste, "os monumentos ditos de 'gratidão ao Exército vermelho' serão transferidos para Borne Sulinowo" (noroeste do país), onde as tropas soviéticas na Polónia estiveram estacionadas durante cerca de meio século", precisou.

O desmantelamento em 2015 de uma placa comemorativa do general Ivan Tcherniakhovski em Pieniezno (norte), onde este militar foi morto em fevereiro de 1945 durante combates com o exército alemão, suscitou na ocasião uma forte reação de Moscovo.

"Esperamos que este projeto não tenha consequências negativas nas relações entre a Polónia e a Rússia", sugeriu Ukielski.

"Os 229 monumentos soviéticos desmantelados vão ser disseminados por todo o país, mas sobretudo no noroeste da Polónia", precisou.

O futuro parque poderá ser inaugurado em setembro de 2017. Será explicado aos visitantes "o significado e a função destes monumentos durante a ditadura comunista", acrescentou Ukielski.

As autoridades locais receberam instruções para desmantelar estes monumentos de forma discreta "para evitar provocações e manifestações, como sucedeu em Pieniezno", disse à agência noticiosa France-Presse a porta-voz do IPN, Agnieszka Sopinska-Jaremczak.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.