sicnot

Perfil

Mundo

Rajoy quer governar nem que seja minoria com pactos pontuais

O líder do partido mais votado em Espanha, Mariano Rajoy, vai tentar formar um governo estável e "para quatro anos", sem afastar a possibilidade de governar em minoria e "com pactos pontuais".

reuters

O presidente do governo de gestão prefere um governo "com sólido apoio governamental", como insistiu várias vezes na segunda-feira, e para isso deverá começar por se reunir com o líder do segundo partido mais votado, PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), Pedro Sánchez, quando regressar a Madrid na quinta-feira, depois de participar na reunião da União Europeia sobre a decisão do Reino Unido de abandonar a União Europeia.

"Não vamos abdicar da responsabilidade de governar e eu não vou renunciar a governar porque há oito milhões de que nos aopiaram. Gostaria de governar com um apoio suficiente, mas se não for possível, governaremos com os apoios que nos deram os espanhóis e, suponho, com alguns pactos pontuais", disse Rajoy na segunda-feira, depois de o comité executivo do PP ter analisado o resultado das eleições de 26 de junho.

Contra as expetativas iniciais, o PP (Partido Popular, de direita) foi o único partido a ganhar votos e lugares no parlamento nas eleições realizadas domingo, em que os eleitores parecem ter decidido regressar aos partidos tradicionais (PP e PSOE) e penalizar as novas formações em ascensão até dezembro passado (a aliança de extrema esquerda Unidos Podemos e os liberais do centro Ciudadanos).

O PP, de Mariano Rajoy, foi o mais votado nas eleições de domingo, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

O PSOE, de Pedro Sanchez, ficou em segundo lugar, com 85 lugares (90 em dezembro), enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos, que as sondagens colocavam em segundo lugar, ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, com o Ciudadanos a conseguir 32 assentos.

Apenas uma coligação do PP com o PSOE conseguirá reunir os lugares suficientes para que Espanha possa ter um governo de maioria, na sequência das eleições de domingo.

"Estendo a minha mão aos partidos moderados", disse segunda-feira Mariano Rajoy a pensar no PSOE e no Ciudadanos, mas ao mesmo tempo avisava que está "aberto a todas as fórmulas" e insistia que não irá "abdicar de governar, porque tem o apoio dos espanhóis".

Para o presidente do governo de gestão, pensar na possibilidade de se voltarem a realizar eleições, as terceiras, para sair do impasse criado pela consulta de dezembro seria "irresponsável", um cenário que todos os outros dirigentes partidários também afastam.

Rajoy já indicou que preferia liderar uma grande coligação com o PSOE e começará por falar com Pedro Sánchez, mas ao contrário do que aconteceu em dezembro, as suas opções são agora mais amplas.

O chefe do governo de gestão acredita que o Ciudadanos, de Albert Rivera, poderá ainda levantar a oposição que tem a uma coligação com o PP liderada por Mariano Rajoy ao qual se poderiam ainda juntar outros partidos nacionalistas moderados: Partido Nacionalista Basco e Coligação Canária.

Esta aliança de partidos do centro e centro-direita conseguiria chegar aos 175 lugares de um total de 350, e ficaria a um lugar da maioria desejada no Congresso dos Deputados, cujos membros tomam posse a 19 de julho.

Poucos dias depois da constituição das duas câmaras, mas sem prazo definido, o rei de Espanha, Filipe VI iniciará as consultas com os partidos para, em seguida, fazer uma proposta de candidato a assumir a presidência do governo.

A visita a Espanha do presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, irá apanhar os principais dirigentes políticos do país em pleno período de negociações para formação do governo.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.