sicnot

Perfil

Mundo

Suécia, Bolívia e Etiópia eleitas para o conselho de Segurança da ONU

A Suécia, a Bolívia e a Etiópia foram hoje eleitas como membros não-permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para um mandato de dois anos, em votação na Assembleia-geral da ONU.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Mike Segar / Reuters

A Etiópia substitui, a partir de 01 de janeiro de 2017, Angola como representante de África, a Bolívia substitui a Venezuela em representação da América Latina e a Suécia passará a ocupar um dos dois lugares reservados à representação regional denominada Europa Ocidental e Outros Países.

O Conselho de Segurança integra cinco membros não-permanentes, pelo que a Assembleia-geral da ONU terá ainda de eleger outros dois membros.

A Tailândia e o Cazaquistão disputam o lugar reservado à representação da região Ásia-Pacífico e a Itália e a Holanda concorrem ao lugar ainda em aberto no grupo Europa Ocidental e Outros Países.

A Bolívia e a Etiópia não tinham países concorrentes nos respetivos grupos regionais e foram eleitos com 183 e 185 votos, respetivamente, de entre os 193 países membros da Assembleia-geral.

A Suécia foi eleita com 134 votos, sendo o número mínimo de votos necessários para a eleição de 128.

A Itália reuniu 113 votos e a Holanda 125, pelo que serão ainda sujeitas a uma segunda volta de votação.

A segunda volta será necessária também para a escolha do representante da Ásia-Pacífico, depois de o Cazaquistão ter recolhido 113 votos e a Tailândia 77 na primeira volta.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas tem um total de 15 membros - cinco membros permanentes (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia), com direito de veto - e 10 membros não-permanentes, dos quais cinco são eleitos em cada ano para mandatos de dois anos.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.