sicnot

Perfil

Mundo

Tortura sexual é habitual para obter confissões de mulheres no México

O exército, a marinha e a polícia do México recorrem habitualmente a abusos sexuais para obter confissões de mulheres detidas, por forma a aumentar as condenações e a parecer que estão a travar o crime organizado no país.

© Daniel Becerril / Reuters

A denúncia consta de um relatório da Amnistia Internacional hoje divulgado, intitulado "Sobreviver à morte: Tortura de mulheres por polícia e militares no México", que resulta de uma investigação sem precedentes realizada em prisões federais mexicanas.

Segundo o relatório da organização de defesa dos direitos humanos, "todas as 100 mulheres entrevistadas testemunharam a ocorrência de tortura e de outros maus-tratos, e a esmagadora maioria declarou ter sido alvo de alguma forma de abuso físico ou psicológico durante a detenção e interrogatórios por polícias municipais, estaduais ou federais ou membros do exército ou da marinha".

Nos depoimentos prestados à Amnistia Internacional (AI), 72 mulheres afirmaram ter sido submetidas a abusos sexuais quando foram detidas ou nas horas que se seguiram à detenção e 33 relataram ter sido violadas.

Sessenta e seis das mulheres disseram ter denunciado o abuso a um juiz ou outras autoridades, mas só foram abertos inquéritos em 22 casos e a AI não tem conhecimento de quaisquer acusações de crime apresentadas na sequência dessas investigações.

A coberto da generalizada "guerra às drogas" no México, as 100 mulheres detidas cujas histórias a AI documenta referiram "fortes espancamentos, insultos e ameaças de violação das mulheres e respetivas famílias, quase asfixia, choques elétricos nos órgãos genitais, apalpões nos seios e beliscões nos mamilos, violação com objetos, dedos, pénis e armas de fogo", entre outras formas de violência que lhes foram infligidas para que "confessassem" graves crimes.

No caso da grande maioria das mulheres detidas em prisões federais, é a primeira vez que são acusadas de um crime, quase sempre relacionado com drogas.

Das 100 mulheres entrevistas pela AI, todas continuam na prisão, enfrentando graves acusações e tendo recebido poucos ou nenhuns cuidados médicos e assistência psicológica.

Trinta e três foram acusadas de fazer parte de grupos de crime organizado, 23 foram acusadas de crimes de droga, 22 de sequestro e 14 de posse ilegal de armas de fogo. Outras foram acusadas de vários destes crimes.

"Mas os seus torturadores estão em liberdade", sublinha a AI, acrescentando que é fundamental mudar esta ideia de impunidade que impera nas forças de segurança mexicanas.

No âmbito da estratégia de segurança do México conhecida como "guerra às drogas", as mulheres são muitas vezes detidas durante operações de detenção de grupos e são acusadas de serem as namoradas de um criminoso e, portanto, cúmplices de atos criminosos, embora não haja provas sólidas para sustentar tais acusações.

Elas são encaradas como detenções fáceis para aumentar os números e mostrar à sociedade mexicana que os esforços de segurança do Governo estão a produzir resultados, indica a organização.

"As mulheres de meios marginais são as mais vulneráveis à chamada 'guerra às drogas' no México: habitualmente, são vistas como alvos fáceis pelas autoridades, que estão muitas vezes mais interessadas em mostrar que estão a pôr gente atrás das grades do que em assegurar-se de que estão a prender os verdadeiros criminosos", declarou a diretora da Amnistia Internacional para o continente americano, Erika Guevara-Rosas, em comunicado.

De acordo com a AI, quase dois anos após a publicação do seu relatório intitulado "Fora de controlo: Tortura e outros maus-tratos no México", a tortura continua a ser um problema grave no país.

"No relatório de 2015 'Promessas no Papel, Impunidade Diária", a organização descobriu que as queixas de tortura apresentadas junto das autoridades federais duplicaram entre 2013 e 2014 [e que] em dezembro de 2015, o Instituto Nacional de Estatística divulgou que a tortura e outros maus-tratos foram a segunda violação dos direitos humanos mais denunciada às autoridades após detenção arbitrária nos 32 estados do México", lê-se no documento.

De acordo com a Amnistia, o Estado mexicano já deu um passo na direção certa ao anunciar, recentemente, a criação de um grupo de trabalho sobre violência sexual como forma de tortura, "mas esse mecanismo precisa de um urgente reforço, porque permanece inativo".

Outra das recomendações da Amnistia é a adoção urgente de uma Lei Geral sobre a Tortura, "para garantir que todas as provas obtidas através de tortura e outros maus-tratos são excluídas dos processos judiciais".

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.