sicnot

Perfil

Mundo

Visitas ao museu de Hiroshima aumentam 40% após viagem de Obama

As visitas ao Museu da Paz de Hiroshima, dedicado ao bombardeamento atómico de 1945 e às suas vítimas, aumentaram quase 40% desde a histórica viagem do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em maio.

reuters

O número de visitantes entre 28 de maio (um dia depois de Obama ter feito uma breve paragem no lugar antes do histórico discurso) e domingo passado, ascendeu a 156.684 -- um aumento de 38,8% face ao mesmo período do ano passado, segundo dados facultados pelo museu à agência Efe.

Do total, 30.139 visitantes eram estrangeiros, valor que traduz uma subida de 55,5% em termos anuais homólogos.

O número global aumentou significativamente desde o passado dia 09, quando o museu começou a expor as garças de origami feitas pelo Presidente norte-americano e doadas ao museu, e a dedicatória que escreveu no livro de visitas.

Neste intervalo de tempo em particular (de 09 a 26 de junho), o número de visitantes cresceu 50,2% face a igual período de 2015.

Obama tornou-se, em maio, no primeiro chefe de Estado norte-americano a visitar Hiroshima, cidade atingida pelo primeiro ataque nuclear da história, a 06 de agosto de 1945.

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.