sicnot

Perfil

Mundo

Consórcio europeu desenvolve tecnologia para tornar carros e aviões mais leves

Um consórcio europeu está a desenvolver tecnologias para tornar os automóveis e os aviões mais leves 20 a 30% do peso que possuem atualmente, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

Boing 737 MAX, Washington, dezembro 2015.(ARQUIVO)

Boing 737 MAX, Washington, dezembro 2015.(ARQUIVO)

Reuters

O projeto ComMUnion está a desenvolver uma tecnologia no sentido de tornar, "num futuro próximo", automóveis e aviões "mais leves" e "mais eficientes do ponto de vista energético", afirma a UC, numa nota hoje enviada à agência Lusa.

Além de visar reduzir o peso, o projeto, que é financiado pela União Europeia (UE) com "cerca de cinco milhões de euros", também pretende que os meios de transporte com estas características tenham "um custo competitivo".

Coordenado pela Asociación De Investigación Metalúrgica Del Noroeste, de Espanha, o projeto (http://communionproject.eu/) reúne 16 parceiros de universidades, entre as quais a UC, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC), centros tecnológicos, nomeadamente o Instituto Fraunhofer, da Alemanha, e diversas empresas.

Os investigadores estão a desenvolver várias tecnologias em conjunto, incluindo um robot, que permitam o fabrico de componentes formados por multimateriais para aplicação na fuselagem de aviões e carroçaria de automóveis.

Os designados multimateriais são "obtidos pela junção de metais e termoplásticos reforçados com fibra", através de "processos altamente complexos", que irão tornar "os setores automóvel e aeronáutico muito mais competitivos", refere a UC.

Atualmente, explica o coordenador da equipa da FCTUC no projeto, Pedro Neto, "a parte estrutural dos veículos é feita essencialmente de metais", mas, "no caso dos aviões, vários já são feitos de materiais compósitos (que são mais leves)".

No entanto, estes compósitos dos aviões "são geralmente de matriz resinosa" e "são fabricados como peças únicas, ou seja, são ligados a outros componentes à posteriori", sublinha Pedro Neto, citado pela UC.

"No ComMUnion estuda-se o uso da ligação de compósitos termoplásticos com metais, de forma a poder reforçar os componentes estruturais nas zonas mais críticas, reduzindo o consumo de metais de elevado custo", acrescenta o investigador.

"O domínio do fabrico destes multimateriais irá trazer vantagens competitivas importantes para a indústria europeia em geral e portuguesa em particular, uma vez que parte significativa da economia exportadora portuguesa assenta no fabrico de componentes para a indústria automóvel", sublinha ainda o docente de engenharia mecânica na FCTUC.

Em Portugal, a solução tecnológica desenvolvida no âmbito do ComMUnion será testada numa empresa do grupo MOTOFIL (com sede em Ílhavo), dentro de três anos.

A indústria automóvel representa cerca de 3% do PIB (Produto Interno Bruto) da UE e cerca de 7% da produção industrial total da União, refere a UC.

Já a indústria aeronáutica é um dos principais setores de alta tecnologia da UE, empregando em 2013 mais de meio milhão de pessoas e gerando um volume de negócios de cerca de 198 mil milhões de euros.

Lusa

  • "O bom senso obriga a acordo para a estabilização do sistema financeiro"
    2:06

    Economia

    O Presidente da República disse esta quarta-feira que "o bom senso obriga a que todos estejam de acordo para a estabilização do sistema financeiro". Num aparente recado a Passos Coelho, Marcelo apelou a um consenso de regime e avisou que "não há prazer tático que justifique o desgaste" provocado pelas divisões atuais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.