sicnot

Perfil

Mundo

Gritou-se liberdade à saída da cadeia dos ativistas em Luanda

Ao grito de liberdade e a pé foi como o grupo de 11 ativistas angolanos, condenados em março por atos preparatórios para uma rebelião e associação de malfeitores, deixou hoje o Hospital-Prisão de São Paulo.

JO\303\203O RELVAS

Após quatro longas horas de espera dos familiares, amigos e um grande número de jornalistas, os ativistas saíram acompanhados dos advogados, ao som de efusivas salvas de palmas e gritos de liberdade.

A caminhar, mesmo tendo à sua espera viaturas, o grupo rumou para a União dos Escritores Angolanos, passando pelo Largo da Independência, local simbólico para a sua luta contestatária ao regime angolano, para lembrar que "ler não é crime".

O grupo de 17 ativistas angolanos, condenados em março a penas de prisão entre os dois anos e oito anos e seis meses, foi detido a 20 de junho, quando se encontravam reunidos a debater política com base num livro do professor universitário Domingos da Cruz, considerado pelo tribunal o líder dos jovens e por isso condenado a maior pena.

Em breves palavras à imprensa, emocionado, o luso-angolano Luaty Beirão disse apenas que está feliz, sublinhando, entretanto, que a situação "é temporária".

Não menos emocionado, Nelson Dibango começou por dizer que estava envolto num "turbilhão de emoções", que era difícil ser descrito no momento.

"Deu para escrever bwe (muito), deu para fazer coisas que não teria feito se não tivesse preso, deu para me interiorizar muito", disse Nelson Dibango, criticando a demora do tribunal para a ordem de soltura.

Já Benedito Jeremias mostrou-se determinado a seguir os seus ideais, mesmo depois do que passou.

"Nós vamos continuar a resistir ao sistema, mas dentro dos parâmetros legais, a resistência à opressão é um direito natural de todo o povo oprimido. Nós não podemos aceitar que a vontade de (Presidente angolano José) Eduardo dos Santos continue a prevalecer nesse país, o país é dos angolanos e de quem luta por ele (...) ou seja, a nossa causa é de justiça, que vamos continuar a defender", disse Benedito Jeremias, visivelmente emocionado.

No Hospital-Prisão de São Paulo estavam pelo menos 12 ativistas, enquanto os restantes estão distribuídos pelas cadeias de Viana e de Caquila, arredores de Luanda, e que também saíram hoje por decisão do Supremo.

O ativista Nito Alves, um dos 17 condenados e o mais novo do grupo, vai permanecer na cadeia até agosto por estar a cumprir uma outra pena, não abrangida pelo 'habeas corpus', por ofensas ao tribunal durante o julgamento.

Aquando da condenação pela 14.ª Secção do Tribunal Provincial de Luanda, no Benfica, a penas de prisão entre os 02 anos e 03 meses e os 08 anos e meio, duas jovens estavam em liberdade, outros dois estavam na cadeia e os restantes em prisão domiciliária.

A 28 de março, logo após a leitura da sentença, começaram todos a cumprir pena por decisão do tribunal, apesar dos recursos interpostos pelos advogados de defesa para o Supremo e para o Constitucional, o que logo a 1 de abril motivou a apresentação do 'habeas corpus', agora decidido e comunicado à defesa dos jovens, críticos do regime liderado por José Eduardo dos Santos.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34