sicnot

Perfil

Mundo

José Eduardo dos Santos recandidata-se à liderança do MPLA

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, formaliza na quinta-feira, em Luanda, a recandidatura ao cargo, informou à Lusa fonte oficial do partido.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

A eleição para a liderança do MPLA será feita durante o próximo congresso ordinário do partido, que vai decorrer em Luanda entre 17 e 20 de agosto, antecedendo as eleições gerais em Angola, previstas para 2017.

A informação sobre a formalização da recandidatura de José Eduardo dos Santos ao cargo de presidente do partido, agendada para as 10:30 de quinta-feira na sede nacional do MPLA, é confirmada numa nota do departamento de informação e propaganda do Comité Central.

Desconhecem-se até ao momento outras candidaturas à liderança do partido.

Praticamente em simultâneo, o mesmo departamento comunicou que o Comité Central reúne-se em Luanda, na sexta-feira, na sua quarta sessão extraordinária, mas sem adiantar a agenda de trabalhos.

O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que anunciou que deixa a vida política ativa em 2018, foi o único a avançar com uma candidatura à liderança do MPLA, anunciou anteriormente o vice-presidente do partido, Roberto de Almeida, acrescentando que o processo de receção de candidaturas "continua aberto até finais de junho".

A Lusa noticiou na terça-feira que quase 2.600 delegados escolhem em agosto, em Luanda, durante o VII congresso ordinário, a liderança e o Comité Central do partido.

A informação sobre o número de delegados ao congresso, num total de 2.591, foi transmitida no final de uma reunião do Bureau Político do Comité Central do MPLA, presidida na terça-feira por José Eduardo dos Santos, a qual serviu para apreciar anteprojetos de regulamento interno, do programa, das comissões de trabalho e da agenda do conclave de agosto.

Entre outras questões, os delegados a este congresso - eleitos nas últimas semanas em todas as 18 províncias juntamente com os secretários provinciais do partido -, que se realiza em Luanda entre 17 e 20 de agosto, vão eleger o presidente do MPLA e o Comité Central, preparando as eleições gerais de 2017.

José Eduardo dos Santos nomeou no início deste mês a filha mais velha, a empresária Isabel dos Santos, para presidente do conselho de administração da empresa concessionária estatal do setor dos petróleos, Sonangol.

Isabel dos Santos assume-se publicamente como militante do MPLA desde 1992 e está a ser apontada por alguma imprensa local como possibilidade para entrar no Comité Central do partido e mesmo sucessora de José Eduardo dos Santos.

O Comité Central do MPLA aprovou a 11 de março deste ano a candidatura de José Eduardo dos Santos à liderança do partido.

José Eduardo dos Santos, presidente do MPLA e chefe de Estado angolano há 36 anos, anunciou no mesmo dia, antes desta aprovação, que deixa a vida política ativa em 2018, ano em que completará 76 anos.

"Em 2012, em eleições gerais, fui eleito Presidente da República e empossado para cumprir um mandato que nos termos da Constituição da República termina em 2017. Assim, eu tomei a decisão de deixar a vida política ativa em 2018", anunciou José Eduardo dos Santos.

Contudo, o chefe de Estado angolano não clarificou em que moldes será feita a sua saída da vida política e se ainda estará disponível para concorrer às eleições gerais de agosto de 2017, antes da sua retirada.

José Eduardo dos Santos é Presidente de Angola desde setembro de 1979, cargo que assumiu após a morte de Agostinho Neto, o primeiro Presidente angolano.

Lusa

  • Isabel dos Santos poderá ser nomeada para o Comité Central do MPLA
    2:26

    Mundo

    Depois de ter tomado posse como Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, a empresária angolana Isabel dos Santos poderá agora ser nomeada para o Comité Central do MPLA. A notícia fez manchete no semanário Expresso. Uma informação que promete agitar a vida política em Angola, num momento em que se discute a sucessão do presidente José Eduardo dos Santos, que está no poder desde 1979. Isabel dos Santos foi considerada, em 2013, pela revista Forbes a mulher mais rica de África.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.