sicnot

Perfil

Mundo

ONU estende mandato dos Capacetes Azuis no Mali e envia mais soldados

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu hoje estender por mais um ano a operação no Mali e reforça-la com mais de 2.500 novos efetivos.

(Arquivo)

(Arquivo)

Reuters

A resolução, proposta por França e aprovada por unanimidade pelos 15 países do Conselho de Segurança, renova por mais um ano o mandato da missão de estabilização MINUSMA no país que enfrenta uma rebelião jihadista.

A MINUSMA passa a ter 13.289 soldados (contra 11.240 até agora) e 1.920 polícias (em vez de 1.440), naquela que é a missão mais perigosa entre as 16 que estão destacadas pela ONU atualmente.

A missão da ONU tem como "prioridades estratégicas" ajudar o Governo maliano na aplicação do acordo de paz assinado há um ano com os grupos armados do norte, no restabelecer da autoridade no norte e centro do país e na organização de eleições.

Para proteção dos civis, os Capacetes Azuis devem "antecipar e eliminar ameaças" com medidas como o patrulhamento nas áreas de risco, podendo ainda contar com o auxílio dos militares franceses presentes no Mali e na África subsariana.

Também são autorizadas "operações diretas" contra os jihadistas, apenas "em casos de ameaças graves e credíveis".

No período de um ano, a missão perdeu 27 soldados e teve 112 feridos, sendo considerada a mais perigosa entre as 16 missões da ONU.

Lusa

  • Isto não é não jornalismo. Por Ricardo Costa

    Opinião

    Uma das decisões mais banais e corriqueiras do jornalismo assenta nas escolhas que se fazem no dia a dia. Que temas se abordam, que destaque se dá a este ou aquele assunto, que ângulos de abordagem se usam. São opções condicionadas por uma série de fatores - que vão do interesse e da novidade até questões tão básicas como o haver ou não jornalistas com tempo, meios e conhecimentos para o fazerem -, que estão e estarão na base de qualquer dia de trabalho numa redação.

    Ricardo Costa

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.