sicnot

Perfil

Mundo

73 talibãs morrem em ofensiva fracassada, mas matam 27 polícias afegãos noutro ataque

Pelo menos 73 talibãs morreram e 26 ficaram feridos num ataque contra vários postos de controlo da província de Nuristán, no Afeganistão, que foi repelido pelas forças de segurança afegãs e da NATO, disse hoje fonte oficial. Num outro ataque perto de Cabul, os talibãs mataram 27 cadetes da polícia afegã.

Autocarro onde seguiam os cadetes da polícia afegã.

Autocarro onde seguiam os cadetes da polícia afegã.

HEDAYATULLAH AMID / EPA

Centenas de rebeldes lançaram quarta-feira à noite uma ofensiva de várias direções contra postos de controlo das tropas afegãs no distrito de Kamdish, disse o porta-voz do Corpo Selab 201 do exército afegão, responsável pela zona leste do país, Shirin Aqa Faqiri.

"Num plano bem coordenado, os aviões de combate das Forças Aéreas afegãs e da coligação bombardearam o inimigo", explicou o porta-voz.

Os ataques aéreos e manobras terrestres de contra ataque resultaram na morte de 73 rebeldes, entre eles vários comandantes talibãs e combatentes estrangeiros, acrescentou.

Faqiri disse que não houve civis entre as vítimas ou nas fileiras das forças de segurança e garantiu que a situação em Kamdish está normal, depois de terem terminado os confrontos.

Os rebeldes ganharam terreno em várias zonas do Afeganistão depois do fim da missão de combate da NATO em 2014 e desde finais de 2015 controlam quase um terço do território, segundo dados de Washington.

Os Estados Unidos mantêm cerca de 9.800 efetivos no país em missões de aconselhamento e antiterrorismo, onde executa bombardeamentos aéreos para apoiar as operações das forças afegãs.

Há duas semanas, o pentágono autorizou o aumento dos bombardeamentos aéreos no Afeganistão caso a situação de instabilidade aumente.

A NATO tem um total de 13.000 efetivos no país a treinar tropas locais.

Pelo menos 27 mortos e 40 feridos em atentado em Cabul

Pelo menos 27 pessoas morreram e 40 ficaram feridas num atentado contra uma caravana de jovens recrutas da polícia num bairro do oeste de Cabul, indicaram responsáveis afegãos.

A "dupla explosão" ocorreu "no bairro de Company de Cabul", precisou, em declarações à agência France Presse, um responsável do Ministério do Interior, adiantando estar a ser analisada "a natureza da deflagração".

No local, o chefe da polícia de Cabul, Abdul Rahman Rahimi, afirmou tratar-se de ataques suicidas que atingiram um único autocarro, mas um operador de câmara da AFP viu pelo menos três autocarros verdes destruídos pela explosão.

Os talibãs já reivindicaram o atentado, afirmando terem atingido um autocarro com "27 oficiais" e causado "numerosos mortos e feridos".

Os autocarros transportavam jovens recrutas em formação na academia da polícia de Wardak, a oeste da capital afegã, informaram agentes no local.

Lusa

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.