sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono permite que transsexuais sirvam no exército dos EUA

O Pentágono anunciou hoje que os transexuais deixarão de ser impedidos de servir abertamente no exército dos Estados Unidos da América.

© Kim Hong-Ji / Reuters

A abolição desta proibição é "a coisa certa a fazer, e é mais um passo para se garantir que se continua a recrutar e se mantêm pessoas qualificadas", afirmou o secretário da Defesa, Ashton Carter.

Até há cinco anos atrás, o exército dos Estados Unidos ainda proibia soldados homossexuais de falar abertamente da sua orientação sexual sob a política militar do "não perguntar, não dizer".

A nova política militar sobre os soldados transsexuais vai ser faseada durante o período de um ano, mas entra em vigor a partir de 01 de julho. O exército já não pode demitir ou impedir indivíduos transexuais de se alistarem devido a cirurgias de mudança de sexo ou à sua identidade de género.

Desde que estes indivíduos tenham recebido o acompanhamento médico necessário e apresentem condições para se alistar os serviços militares vão permitir a sua inserção, declarou o Pentágono.

Sob esta nova política militar, o Pentágono vai comparticipar despesas associadas à transsexualidade, incluindo cirurgias de mudança de sexo.

O congressista Republicano Mac Thornberry afirmou que esta medida pode levar a que as tropas não estejam prontas para destacamentos, devido a razões médicas.

"A nossa prontidão militar e a nossa segurança nacional estão dependentes das tropas estarem medicamente prontas", acrescentou.

O senador Democrata Dick Durbin declarou que esta nova política militar permite que soldados transexuais continuem a "servir sem viver uma mentira, e fornece aos comandantes, que têm estado no meio de políticas confusas, uma perspetiva mais clara sobre o assunto".

Ashton Carter assegurou que o exército vai começar a pagar pelos tratamentos relacionados com a transexualidade, o mais tardar, a partir de 1 de outubro.

Lusa

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • Furacão Maria já causou pelo menos nove mortes

    Mundo

    O furacão Maria já causou pelo menos nove mortos durante a sua passagem pelas Antilhas Menores, tendo baixando para uma tempestade de grau três depois de atravessar Porto Rico, segundo as autoridades.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC