sicnot

Perfil

Mundo

Pentágono permite que transsexuais sirvam no exército dos EUA

O Pentágono anunciou hoje que os transexuais deixarão de ser impedidos de servir abertamente no exército dos Estados Unidos da América.

© Kim Hong-Ji / Reuters

A abolição desta proibição é "a coisa certa a fazer, e é mais um passo para se garantir que se continua a recrutar e se mantêm pessoas qualificadas", afirmou o secretário da Defesa, Ashton Carter.

Até há cinco anos atrás, o exército dos Estados Unidos ainda proibia soldados homossexuais de falar abertamente da sua orientação sexual sob a política militar do "não perguntar, não dizer".

A nova política militar sobre os soldados transsexuais vai ser faseada durante o período de um ano, mas entra em vigor a partir de 01 de julho. O exército já não pode demitir ou impedir indivíduos transexuais de se alistarem devido a cirurgias de mudança de sexo ou à sua identidade de género.

Desde que estes indivíduos tenham recebido o acompanhamento médico necessário e apresentem condições para se alistar os serviços militares vão permitir a sua inserção, declarou o Pentágono.

Sob esta nova política militar, o Pentágono vai comparticipar despesas associadas à transsexualidade, incluindo cirurgias de mudança de sexo.

O congressista Republicano Mac Thornberry afirmou que esta medida pode levar a que as tropas não estejam prontas para destacamentos, devido a razões médicas.

"A nossa prontidão militar e a nossa segurança nacional estão dependentes das tropas estarem medicamente prontas", acrescentou.

O senador Democrata Dick Durbin declarou que esta nova política militar permite que soldados transexuais continuem a "servir sem viver uma mentira, e fornece aos comandantes, que têm estado no meio de políticas confusas, uma perspetiva mais clara sobre o assunto".

Ashton Carter assegurou que o exército vai começar a pagar pelos tratamentos relacionados com a transexualidade, o mais tardar, a partir de 1 de outubro.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.