sicnot

Perfil

Mundo

Prémio Norte-Sul 2015 entregue hoje a Joaquim Chissano e Lora Pappa

O antigo Presidente moçambicano Joaquim Chissano e a ativista grega Lora Pappa recebem hoje em Lisboa o Prémio Norte-Sul 2015 do Conselho da Europa, sendo distinguidos pelo seu trabalho na defesa dos direitos humanos.

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

Joaquim Chissano, antigo Presidente de Moçambique

© Reuters Photographer / Reuter

As distinções são entregues hoje de manhã pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa cerimónia na Assembleia da República.

De acordo com o Centro Norte-Sul, organismo do Conselho da Europa, com sede em Lisboa, Joaquim Chissano, Presidente de Moçambique entre 1986 e 2005, "é reconhecido pelo seu contributo para o reforço democrático em África e o seu envolvimento na procura da resolução pacífica de conflitos em diferentes zonas do continente, nomeadamente na sua qualidade de enviado especial da Organização das Nações Unidas".

Já a grega Lora Pappa, fundadora da organização não-governamental METAdrasi, é distinguida pelo seu "trabalho no apoio e encaminhamento de migrantes e refugiados, sobretudo aos grupos mais vulneráveis como as crianças e menores não acompanhados", refere o Centro Norte-Sul.

O prémio, que vai na 21.ª edição, é atribuído anualmente a duas personalidades - uma do Norte e outra do Sul e, preferencialmente, um homem e uma mulher -, "que se destacaram no plano internacional pela sua ação em prol da defesa dos direitos humanos e da democracia, contribuindo para um mundo mais interdependente e solidário", segundo a organização.

Em entrevista à Lusa, o diretor executivo do Centro Norte-Sul, José Frederico Ludovice, sublinhou que os dois distinguidos "vêm de diferentes origens e têm diferentes experiências, mas têm em comum baterem-se pela dignidade humana".

A cerimónia de entrega dos prémios decorre hoje de manhã na Assembleia da República, em Lisboa, com a participação do Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa; do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues; da secretária-geral adjunta do Conselho da Europa, Gabriella Battaini-Dragoni; do presidente do comité executivo do Centro Norte-Sul, Jean-Marie Heydt, e o diretor executivo do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa, José Ludovice.

A distinção já foi atribuída, entre outros, ao ex-secretário-geral da ONU e Nobel da Paz, Kofi Annan, aos antigos Presidentes portugueses Mário Soares e Jorge Sampaio, ao ex-presidente da Assembleia da República António de Almeida Santos, ao antigo Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, ao cantor irlandês Bob Geldoff, à rainha Rânia da Jordânia, à política francesa Simone Weil, à primeira mulher presidente da Irlanda Mary Robinson, à moçambicana Graça Machel e à jornalista tunisina Souhayr Belhassen.

Criado em 1989, o Centro Norte-Sul iniciou a sua atividade em 1990 para estabelecer plataformas de diálogo, em matéria de interdependência e solidariedade, com regiões situadas fora do continente europeu, no quadro da "política de vizinhança" do Conselho da Europa.

Atualmente, conta com 17 membros: Andorra, Azerbaijão, Bulgária, Cabo Verde, Croácia, Chipre, Espanha, Grécia, Liechtenstein, Luxemburgo, Malta, Montenegro, Marrocos, Portugal, São Marino, Santa Sé e Sérvia. Roménia e Tunísia vão aderir nos próximos meses.

Fundado a 05 de maio de 1949, o Conselho da Europa é a mais antiga instituição europeia em funcionamento, integrando 47 Estados, incluindo todos os países que formam a União Europeia.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.