sicnot

Perfil

Mundo

Quase 29 crianças e adolescentes são assassinados por dia no Brasil

Quase 29 crianças ou adolescentes são assassinados por dia no Brasil, de acordo com um relatório divulgado hoje, que mostra um aumento de 476% neste tipo de mortes em 23 anos.

© Adriano Machado / Reuters

O "Relatório Violência Letal Contra as Crianças e Adolescentes do Brasil", elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, mostra que em 2013, último ano em análise, 10.520 crianças e adolescentes foram vítimas de homicídio.

O estudo revela também que armas de fogo estiveram presentes em 78,2% dos homicídios de crianças e adolescentes de até 17 anos.

Os assassinatos têm um crescimento acentuado na entrada da adolescência, aos 12 anos, quando representam 6,7% do total de mortes, e alcançam o pico aos 17 anos, quando atingem a marca de 48,2% da mortalidade.

Segundo os dados recolhidos pelo autor do estudo, Julio Jacobo Waiselfisz, crianças e adolescentes negros são vítimas de homicídio 178% mais do que brancos, tendo em conta o tamanho das respetivas populações.

O Brasil ocupa o 3.º lugar em homicídios de crianças e adolescentes no contexto de 85 países do mundo analisados, ficando atrás apenas do México e de El Salvador.

O relatório mostra ainda que, diariamente, quase duas crianças e adolescentes de até 18 anos cometeram suicídio em 2013.

Apesar de o Brasil ocupar a 43.ª posição entre os países com mais suicídios, o número tem vindo a aumentar, sendo que os municípios com mais mortalidade suicida são locais com fortes comunidades indígenas.

Enquanto houve um aumento de homicídios, mortes em acidentes de transporte e suicídios, as causas naturais como motivo de morte entre crianças e adolescentes diminuíram 78,5% em 23 anos, para 83,4 em 2013.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.