sicnot

Perfil

Mundo

Um terço das crianças iraquianas precisam de assistência humanitária

Um relatório da UNICEF divulgado hoje revela que uma em cada cinco crianças no Iraque corre sério perigo de morte, ferimentos, violência sexual, rapto ou recrutamento por grupos armados. Atualmente, quase cinco milhões, um terço das crianças iraquianas, necessitam de assistência humanitária.

© Ari Jalal / Reuters (Arquivo)

O relatório, intitulado "A Heavy Price for Children" ("Um preço alto para crianças"), indica que 3,6 milhões de crianças não estão em segurança e correm riscos de integridade física e psicológica no Iraque, um número que aumentou em 1,3 milhões em 18 meses.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) indica que desde o início de 2014, cerca de 10% das crianças iraquianas se viram obrigadas a abandonar as suas casas, com as condições de vida das famílias a degradarem-se depois das operações militares em Fallujah, no interior do país, e nas imediações de Mossul, no norte.

O documento indica que cerca de 1.500 crianças foram raptadas desde metade de 2013, o que constitui uma média de 50 raptos por mês, "sendo muitas delas forçadas a combater ou sujeitas a abusos sexuais".

Desde 2014, a ONU encontrou 124 crianças a combaterem nas várias frentes de combate.

O relatório constata ainda que 975 mil crianças do sexo feminino são obrigadas a casar antes dos 15 anos de idade, o que representa o dobro das estatísticas de 1990.

A UNICEF precisa de angariar 90 mil euros para poder garantir ajuda humanitária no Iraque até final do ano.

"A ajuda inclui apoio psicológico a mais de 100.000 crianças no último ano e meio; fornecimento de água potável a mais de 750.000 pessoas desde o início do ano e até à data; vacinação de 5,6 milhões de crianças contra a poliomielite; e apoio no acesso à educação para mais de 710.484", comunicou aquela agência das Nações Unidas.

O conflito iraquiano tem-se estendido por 40 anos com várias fações armadas.

Segundo dados da UNICEF, desde o começo da guerra na Síria, em 2011, o Iraque já recebeu cerca de 245 mil refugiados, dos quais mais de 61 mil são crianças.

Lusa

  • Pelo menos 250 militantes do Daesh mortos em ataque da coligação em Fallujah
    0:50

    Daesh

    Pelo menos 250 combatentes do Daesh morreram num ataque aéreo levado a cabo pela coligação liderada pelos Estados Unidos, em Fallujah, no Iraque. Os números foram avançados pelas autoridades norte-americanas. Caso se confirme, este foi um dos ataques mais mortíferos de sempre contra o grupo terrorista. O bombardeamento terá acontecido esta quarta-feira.

  • Coligação destrói alvos estratégicos dos jihadistas no Iraque
    0:44

    Daesh

    No combate aos jihadistas do Daesh, os Estados Unidos revelaram, esta sexta-feira, imagens de um raide aéreo no Iraque. Este vídeo mostra a destruição de alvos estratégicos, um carro de apoio do grupo islâmico radical. Foi na cidade de Hit, perto de Ramadi, no dia 30 de maio. O relatório era informação confidencial da Defesa americana que a tornou pública para dar conta das operações com caças bombardeiros que têm como objetivo atingir posições onde o Daesh tem armas e outros equipamentos.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.