sicnot

Perfil

Mundo

Google ativa cabo submarino de nove mil quilómetros entre os EUA e Japão

A empresa de tecnologia Google anunciou na quinta-feira a ativação de um cabo de Internet submarino de alta velocidade de nove mil quilómetros entre os Estados Unidos e o Japão, em que estava a trabalhar desde 2014.

© Eric Gaillard / Reuters

O cabo, batizado com o nome "Faster" (mais rápido), tem uma velocidade de 60 terabyte por segundo, dez milhões de vezes mais rápido que o típico modem e custou 300 milhões de dólares (cerca de 270 milhões de euros).

"Os utilizadores de Internet e nossos clientes no Japão devem ter notado que as coisas acontecem um pouco mais rápido. O nosso cabo submarino Faster entre o Japão e os Estados Unidos entrou hoje oficialmente ao serviço", afirmou através da Google Plus o vice-presidente da infraestrutura da Google, Urs Holzle.

O cabo é o mais potente de todos os cabos submarinos e uma das suas particularidades é o de emitir luzes de múltiplas cores em distintas frequências.

"Faster é um das várias centenas de cabos submarinos que ligam distintas partes do mundo e que, em conjunto, integram uma importante espinha dorsal que contribui para o funcionamento da Internet", explicou Holzle.

O primeiro cabo transoceânico, que se utilizou para comunicações, para se transmitir telegramas, foi instalado em 1906.

A maioria dos cabos funcionam dentro dos países e entre continentes, mas alguns cruzam oceanos como o Atlântico.

O cabo SEA-ME-WE 3, que liga a Europa à Austrália e Ásia, é o maior do mundo, com uma extensão de 39.000 quilómetros e 39 pontos de conexão terrestre.

O Facebook e a Microsoft estão atualmente a trabalhar no desenvolvimento de um cabo submarino, que se vai chamar Marea, e deverá estar pronto ainda este ano.

O Marea será o primeiro cabo a conectar os Estados Unidos com o sul da Europa, em concreto as cidades de Virgínia (Estados Unidos) e Bilbao (Espanha.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34