sicnot

Perfil

Mundo

ONU cria cargo de perito para os direitos da comunidade LGBT

O Conselho de Direitos Humanos da ONU criou hoje o primeiro cargo de perito independente para os direitos da comunidade LGBT - Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero.

© Nguyen Huy Kham / Reuters

A resolução que cria o cargo de "Especialista independente na proteção contra a violência e discriminação baseada na orientação sexual e identidade de género" foi adotada ontem à noite, depois de várias horas de um debate aceso, disse aos jornalistas o porta-voz do Conselho, Rolando Gomez.

Foi aprovada com 23 votos a favor, 18 contra e seis abstenções no Conselho de 47 membros.

"A ONU deu um passo histórico"​

A Human Rights Watch (HRW) elogiou a decisão histórica de criar um novo cargo que tem como tarefa lutar contra a discriminação com base na orientação sexual ou identidade de género.

"A ONU deu um passo histórico", disse o diretor da HRW, John Fisher, acrescentando que aqueles que são vítimas de discriminação em função do seu género ou da sua orientação sexual têm agora "uma voz oficial".

A resolução foi proposta pela Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, México e Uruguai, apoiada por vários Estados europeus, bem como pela Coreia do Sul, Vietname e Mongólia.

Os votos contra foram dados pela China e pela Rússia, juntamente com Estados árabes como a Arábia Saudita. Os opositores em África incluíam o Quénia, o Togo e a Nigéria que, em 2014, adotaram uma dura lei anti homossexualidade. A África do Sul foi um dos seis países a abster-se

O especialista independente vai ser nomeado nos próximos meses.

  • "Não vou ceder, não vou render-me, não vou desistir da candidatura"
    2:02
  • Obama, Presidente francês?
    1:55

    Mundo

    A resposta é óbvia, mas não demoveu quatro franceses, descontentes com os candidatos às Presidenciais no seu país. A ideia começou como brincadeira, mas já recolheu 43 mil assinaturas. 

  • Trump apanhado a ensaiar no carro
    1:08
  • Mulheres democratas de branco para mostrar que não abdicam dos diretos conquistados

    Mundo

    Uma "mancha branca" sobressaiu esta terça-feira no Congresso norte-americano, durante o primeiro discurso de Donald Trump. A maioria das 66 mulheres representantes e delegadas do Partido Democrata vestiram-se de branco, num ato simbólico a fazer recordar o movimento sufragista feminino, que encorajava as apoiantes a vestirem-se de branco. Tal como então, a cor da pureza foi agora recuperada, desta feita para mostrar a Trump que as mulheres não abdicam dos direitos conquistados no início do século XX.

  • Treinador do "The Biggest Loser" teve ataque cardíaco

    Mundo

    Foi o próprio Bob Harper que partilhou a notícia no seu Instagram. O ex-treinador do famoso programa de televisão sofreu um ataque cardíaco enquanto treinava no ginásio. Esteve oito dias internado mas, felizmente, já está em casa a recuperar.

  • Prisões recebem manual para lidar com fugas
    2:07

    País

    O Governo vai fazer o maior investimento de sempre nos serviços prisionais. São 2.600 milhões de euros para reforçar a segurança nas prisões. Entretanto. já foi distribuído um manual de procedimentos em caso de fuga.