sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 25 mortos em ataques aéreos na Síria

Pelo menos 25 civis foram hoje mortos em ataques distintos da aviação do regime e da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos no norte da Síria, indicou o Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH).

Arquivo

Arquivo

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Em paralelo, o exército sírio acusou os rebeldes islamitas do grupo Jaich al-Islam de terem capturado e matado um dos seus pilotos algumas horas após a queda do seu avião perto de Damasco, mas este grupo responsabilizou a Al-Qaida.

Em Alepo, um mercado no bairro rebelde de Tariq al-Bab na zona leste da cidade foi atingido pela aviação do regime numa hora de grande afluência, provocando 11 mortos, segundo o OSDH.

Em simultâneo, cinco civis também morreram após outro 'raide' da aviação do regime contra Cheikh Said, um bairro rebelde no sul de Alepo, precisou o Observatório.

A mesma fonte referiu que dois civis foram mortos por bombardeamentos rebeldes sobre bairros governamentais. Desde julho de 2012 que a cidade está dividida entre setores rebeldes e setores controlados pelo regime de Damasco.

A coligação liderada pelos Estados Unidos também provocou a morte a duas mulheres e aos seus sete filhos durante ataques contra Minbej, um bastião dos 'jihadistas' do grupo Estado Islâmico (EI), que a aliança curdo-árabe das Forças democráticas sírias (HSD), apoiadas por Washington, tenta conquistar há nove dias.

Por sua vez, o exército sírio anunciou em comunicado a morte de um piloto, ao referir que após a queda do seu aparelho "aterrou em paraquedas numa região controlada pelos terroristas do Jaich al-Islam", explicando que o avião de despenhou "devido a um problema técnico durante um exercício".

Apoiado pela Arábia Saudita, o Jaich al-Islam (Exército do Islão) controla a maioria de uma zona periférica a leste da capital síria, regularmente bombardeada pelas forças governamentais e a aviação russa.

O grupo, acusado pelo regime de bombardear Damasco, afirmou ter abatido o avião e capturado o piloto, apresentado como um oficial pertencente à comunidade alauita, de que é originário o Presidente sírio Bashar al-Assad.

Mas algumas horas mais tarde o porta-voz do movimento, Islam Allouche, colocou na rede social Twitter uma foto do piloto prostrado no solo, com um tiro na nuca, e acusou um 'jihadista' da Frente Al-Nosra, ramo sírio da Al-Qaida, de o ter executado.

A guerra na Síria, iniciada em 2011, já provocou mais de 280.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, segundo números da ONU.

Lusa