sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 25 mortos em ataques aéreos na Síria

Pelo menos 25 civis foram hoje mortos em ataques distintos da aviação do regime e da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos no norte da Síria, indicou o Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH).

Arquivo

Arquivo

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Em paralelo, o exército sírio acusou os rebeldes islamitas do grupo Jaich al-Islam de terem capturado e matado um dos seus pilotos algumas horas após a queda do seu avião perto de Damasco, mas este grupo responsabilizou a Al-Qaida.

Em Alepo, um mercado no bairro rebelde de Tariq al-Bab na zona leste da cidade foi atingido pela aviação do regime numa hora de grande afluência, provocando 11 mortos, segundo o OSDH.

Em simultâneo, cinco civis também morreram após outro 'raide' da aviação do regime contra Cheikh Said, um bairro rebelde no sul de Alepo, precisou o Observatório.

A mesma fonte referiu que dois civis foram mortos por bombardeamentos rebeldes sobre bairros governamentais. Desde julho de 2012 que a cidade está dividida entre setores rebeldes e setores controlados pelo regime de Damasco.

A coligação liderada pelos Estados Unidos também provocou a morte a duas mulheres e aos seus sete filhos durante ataques contra Minbej, um bastião dos 'jihadistas' do grupo Estado Islâmico (EI), que a aliança curdo-árabe das Forças democráticas sírias (HSD), apoiadas por Washington, tenta conquistar há nove dias.

Por sua vez, o exército sírio anunciou em comunicado a morte de um piloto, ao referir que após a queda do seu aparelho "aterrou em paraquedas numa região controlada pelos terroristas do Jaich al-Islam", explicando que o avião de despenhou "devido a um problema técnico durante um exercício".

Apoiado pela Arábia Saudita, o Jaich al-Islam (Exército do Islão) controla a maioria de uma zona periférica a leste da capital síria, regularmente bombardeada pelas forças governamentais e a aviação russa.

O grupo, acusado pelo regime de bombardear Damasco, afirmou ter abatido o avião e capturado o piloto, apresentado como um oficial pertencente à comunidade alauita, de que é originário o Presidente sírio Bashar al-Assad.

Mas algumas horas mais tarde o porta-voz do movimento, Islam Allouche, colocou na rede social Twitter uma foto do piloto prostrado no solo, com um tiro na nuca, e acusou um 'jihadista' da Frente Al-Nosra, ramo sírio da Al-Qaida, de o ter executado.

A guerra na Síria, iniciada em 2011, já provocou mais de 280.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados, segundo números da ONU.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".