sicnot

Perfil

Mundo

Turista cai numa ravina e morre quando tirava uma selfie

Um turista alemão morreu depois de ter caído numa ravina esta quarta-feira em Machu Picchu, antiga cidade dos Incas, nos Andes peruanos. Oliver Park, de 51 anos, ignorou os avisos e passou as barreiras de segurança que impedem a circulação dos visitantes em zonas de alto risco.

Machu Picchu, local considerado um dos principais símbolos do Império Inca pela sua localização e características geológicas.

Machu Picchu, local considerado um dos principais símbolos do Império Inca pela sua localização e características geológicas.

© Enrique Castro-Mendivil / Reuters (Arquivo)

De acordo com as autoridades locais, citadas pela estação britânica BBC, o acidente terá acontecido quando Oliver Park tentava tirar uma selfie a simular que estava a levantar voo, até que perdeu o equilíbrio.

O corpo só foi encontrado no dia seguinte e transportado para a morgue da cidade de Cusco.

São muito os turistas que visitam sozinhos Machu Picchu, cidade perdida dos Incas, localizada no topo de uma montanha, a 2400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba, atual Peru.

Em 2014, mais de 1 milhão de turistas aventuraram-se visitaram sozinhos Machu Picchu, cidade construída no século XV, mas descoberta apenas em 1911.

O local é considerado um dos principais símbolos do Império Inca pela sua original localização e características geológicas. Apenas cerca de 30% da cidade é de construção original, o restante foi reconstruído.

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.