sicnot

Perfil

Mundo

Empresa de portugueses faz fogo de artifício do 4 de julho em Nova Iorque

A empresa pirotécnica luso-americana Pyro Spectacular by Souza é a responsável pelo célebre fogo de artifício na próxima segunda-feira em Nova Iorque, durante as comemorações do 4 de julho, que assinalam os 240 anos da independência dos EUA.

Fogo de artifício nas celebrações do 4 de julho em Nova Iorque no ano passado

Fogo de artifício nas celebrações do 4 de julho em Nova Iorque no ano passado

© Andrew Kelly / Reuters

Além das celebrações do 4 de Julho, a empresa já fez grandes eventos como os Jogos Olímpicos de Atenas ou de Atlanta, a celebração do 100º aniversário da Estátua da Liberdade, o início do primeiro mandato presidencial de Ronald Reagan ou o casamento dos atores Brad Pitt e Jennifer Anniston.

"Tudo começou como parte destes pequenos festivais e carnavais que os imigrantes portugueses na área de São Francisco faziam, com comida, música e entretenimento. O meu bisavô estava envolvido e queria torná-los mais entusiasmantes, por isso começou a usar fogo-de-artifício", explicou o vice-presidente da empresa, Gary Souza, ao portal da Internet NewYork.com.

Manuel de Sousa, de São Miguel, chegou à Califórnia no início do século XX e envolveu todos os familiares no negócio, que produziam o fogo de artifício em casa.

Em poucos anos, era conhecido como o "Papagaio", por causa do colorido do seu fogo.

Com a sua morte em 1940, o negócio foi interrompido, até que o seu neto, Bob Sousa, resolveu reiniciar os espetáculos pirotécnicos na década de 1960.

Nos anos 1970, a companhia expandiu-se aliando as modernas tecnologias aos segredos que o seu fundador levara de São Miguel um século antes.

"Na altura, não havia grandes empresas de fogo-de-artifício. Fomos os primeiros. Trabalhámos com a Disneyland, fizemos os Olímpicos. De repente, havia uma necessidade de grandes produções", explica Gary.

A empresa ajudou a mudar a indústria, forçando sempre o uso de nova tecnologia, que permitiu tornar os espetáculos mais impressionantes e mais seguros.

"O nosso pai insistiu sempre muito na segurança, porque o seu avó perdeu um braço e o pai também se magoou. Foi por isso que começámos cedo a fazer espetáculos eletrónicos usando computadores", explica Souza.

A Pyro Spectaculars by Souza engloba hoje cinco empresas no ramo da pirotecnia: Astro Pyrotechnics, Sousa Fireworks, PPA Spectaculars, Pyro Spec EFX, Stick Match, Spectacular Productions e Global Pyrotecnhic Network.

Apesar da dimensão que alcançou, continua a ser uma empresa familiar. O presidente é o irmão de Gary, James Souza, e a irmã, Nancy Souza, também faz parte da direção.

A empresa promete que o espetáculo de segunda-feira será o maior espetáculo desde o da entrada no novo milénio, no ano 2000.

Vai aproveitar a ocasião para lançar uma nova aplicação para telemóveis, chamada "Make Light", em que muda as cores do ecrã do utilizador para combinar com as cores dos fogos que explodem no céu naquele momento.

Lusa

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.