sicnot

Perfil

Mundo

Atacantes que mataram 20 reféns no Bangladesh não são do Daesh, diz ministro

Os extremistas que mataram 20 reféns num restaurante em Daca são membros de um grupo local e não seguidores do Deash, disse hoje o ministro do Interior do Bangladesh.

© Reuters TV / Reuters

"Eles são membros do Jamayetul Mujahideen Bangladesh (JMB)", afirmou o ministro Asaduzzaman Khan à agência AFP, referindo-se ao grupo islamita banido do país há mais de uma década.

"Eles não têm ligações ao Estado Islâmico", frisou.

O Daesh tinha reivindicado a autoria do ataque e a tomada de reféns, de acordo com a agência Amaq, ligada àquela organização radical, que teve lugar na noite de sexta-feira num restaurante de um bairro diplomático da capital do Bangladesh, que apenas chegou ao fim, 11 horas depois, no sábado, após uma ofensiva das forças de segurança.

A polícia divulgou os nomes e as fotografias dos seis atacantes que foram mortos no final da operação, sendo que um sétimo foi detido e está a ser interrogado.

O governo do Bangladesh nega constantemente a presença de qualquer grupo 'jihadista' internacional no país, em particular do grupo Estado Islâmico.

Asaduzzaman Khan afirmou que todos os atacantes pertenciam a famílias abastadas e tinham recebido educação superior. "Nenhum vem de uma madrassa" (escola islâmica)", disse.

Ao ser questionado por que se terão tornado então 'jihadistas', Asaduzzaman Khan respondeu: "Tornou-se moda".

Lusa

  • Matteo Renzi diz que Itália não vai ceder ao fundamentalismo islâmico
    0:50

    Mundo

    Pelo menos 9 cidadãos italianos foram mortos e um décimo está dado como desaparecido, na sequência de um ataque a um restaurante na capital do Bangladesh. O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, condenou o ataque que matou 20 pessoas, destacando que a Itália sofreu uma "perda dolorosa", mas os seus valores permanecem fortes.

  • PM do Bangladesh condena sequestro do Daesh e promete combater terrorismo
    0:37

    Mundo

    O ataque reivindicado pelo Daesh causou a morte de 20 cidadãos estrangeiros, depois de terem estado reféns durante a noite num restaurante do Bangladesh e terem sido agredidos até à morte A primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, condenou o ataque e garantiu que o país vai continuar a combater o terrorismo.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.