sicnot

Perfil

Mundo

Atacantes que mataram 20 reféns no Bangladesh não são do Daesh, diz ministro

Os extremistas que mataram 20 reféns num restaurante em Daca são membros de um grupo local e não seguidores do Deash, disse hoje o ministro do Interior do Bangladesh.

© Reuters TV / Reuters

"Eles são membros do Jamayetul Mujahideen Bangladesh (JMB)", afirmou o ministro Asaduzzaman Khan à agência AFP, referindo-se ao grupo islamita banido do país há mais de uma década.

"Eles não têm ligações ao Estado Islâmico", frisou.

O Daesh tinha reivindicado a autoria do ataque e a tomada de reféns, de acordo com a agência Amaq, ligada àquela organização radical, que teve lugar na noite de sexta-feira num restaurante de um bairro diplomático da capital do Bangladesh, que apenas chegou ao fim, 11 horas depois, no sábado, após uma ofensiva das forças de segurança.

A polícia divulgou os nomes e as fotografias dos seis atacantes que foram mortos no final da operação, sendo que um sétimo foi detido e está a ser interrogado.

O governo do Bangladesh nega constantemente a presença de qualquer grupo 'jihadista' internacional no país, em particular do grupo Estado Islâmico.

Asaduzzaman Khan afirmou que todos os atacantes pertenciam a famílias abastadas e tinham recebido educação superior. "Nenhum vem de uma madrassa" (escola islâmica)", disse.

Ao ser questionado por que se terão tornado então 'jihadistas', Asaduzzaman Khan respondeu: "Tornou-se moda".

Lusa

  • Matteo Renzi diz que Itália não vai ceder ao fundamentalismo islâmico
    0:50

    Mundo

    Pelo menos 9 cidadãos italianos foram mortos e um décimo está dado como desaparecido, na sequência de um ataque a um restaurante na capital do Bangladesh. O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, condenou o ataque que matou 20 pessoas, destacando que a Itália sofreu uma "perda dolorosa", mas os seus valores permanecem fortes.

  • PM do Bangladesh condena sequestro do Daesh e promete combater terrorismo
    0:37

    Mundo

    O ataque reivindicado pelo Daesh causou a morte de 20 cidadãos estrangeiros, depois de terem estado reféns durante a noite num restaurante do Bangladesh e terem sido agredidos até à morte A primeira-ministra do Bangladesh, Sheikh Hasina, condenou o ataque e garantiu que o país vai continuar a combater o terrorismo.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.