sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos do regime sírio em localidade rebelde fazem 43 mortos, incluindo crianças

Os intensos bombardeamentos lançados pelo regime sírio, no sábado, contra uma localidade rebelde, próxima da capital, fez 43 mortos, incluindo crianças e pessoal médico, segundo um novo balanço divulgado hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Jairud, a 60 quilómetros a nordeste de Damasco, foi palco, este sábado, durante horas, de ataques aéreos e de artilharia, que puseram termo a uma trégua acordada entre o regime e responsáveis locais que vigorava há dois anos.

Rami Abdel Rahman, diretor da organização não-governamental com sede em Londres, afirmou que dois médicos figuram entre as vítimas mortais, bem como crianças e mulheres.

O bombardeamento -- o primeiro em Jairud em pelo menos dois anos -- surgiu depois de, na sexta-feira, as forças sírias terem prometido vingar a captura e morte de um dos seus pilotos, cujo avião caiu perto de Jairud devido a "problemas técnicos", pelo grupo rebelde Jaich al-Islam (Exército do Islão), presente naquela localidade.

O grupo anunciou ter abatido o avião e capturado o piloto, mas o seu porta-voz divulgou depois uma foto do piloto caído no chão e com um buraco de bala na nuca e acusou o ramo da Al-Qaida na Síria, a Frente al-Nusra, também presente em Jairud, de o ter executado.

Hoje, Rami Abdel Rahman afirmou que figuras proeminentes de Jairud alcançaram um acordo com membros do governo "para que combatentes [rebeldes] deixassem a cidade como moeda de troca pela entrega do corpo do piloto".

Uma página do Facebook administrada por ativistas de Jairud que publica notícias sobre a cidade diz que os rebeldes começaram a retirar-se das suas bases na cidade durante a madrugada.

Mais de 280 mil pessoas morreram desde o início da guerra civil na Síria, em março de 2011.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.