sicnot

Perfil

Mundo

Schulz propõe substituir a Comissão Europeia por um autêntico governo europeu

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Martin Schulz, propõe, num artigo a publicar na segunda-feira pelo diário "Frankfurter Allgemeine", substituir a atual Comissão Europeia por um autêntico governo europeu controlado por um parlamento bicameral.

Reuters

Uma das câmaras seria o atual Parlamento Europeu (PE), enquanto a segunda seria formada por representantes dos governos dos Estados-membros da União Europeia (UE).

Segundo Schulz, este esquema é conhecido dos cidadãos pela experiência dos respetivos países e ajudaria a tornar mais transparentes as decisões dentro da UE.

Desta forma, qualquer cidadão descontente deixaria de se expressar sobre a União no seu conjunto, abrindo-se, por outro lado, a possibilidade de eleger, a partir das urnas, um governo europeu.

Schulz escreve que um dos problemas que tem atualmente a UE é que os cidadãos não sabem exatamente o que faz e por vezes vê-se responsabilizada por problemas que têm origem em decisões tomadas pelos Estados-membros.

Para Schulz, não se trata de pedir "mais Europa", mas sim de definir com clareza "o que os cidadãos podem esperar da UE".

A União Europeia, segundo Schulz, deve concentrar-se em assuntos que os Estados-membros não podem resolver em separado e não entreter-se com problemas que podem solucionar-se no âmbito regional ou nacional.

Lusa

  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.