sicnot

Perfil

Mundo

Schulz propõe substituir a Comissão Europeia por um autêntico governo europeu

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Martin Schulz, propõe, num artigo a publicar na segunda-feira pelo diário "Frankfurter Allgemeine", substituir a atual Comissão Europeia por um autêntico governo europeu controlado por um parlamento bicameral.

Reuters

Uma das câmaras seria o atual Parlamento Europeu (PE), enquanto a segunda seria formada por representantes dos governos dos Estados-membros da União Europeia (UE).

Segundo Schulz, este esquema é conhecido dos cidadãos pela experiência dos respetivos países e ajudaria a tornar mais transparentes as decisões dentro da UE.

Desta forma, qualquer cidadão descontente deixaria de se expressar sobre a União no seu conjunto, abrindo-se, por outro lado, a possibilidade de eleger, a partir das urnas, um governo europeu.

Schulz escreve que um dos problemas que tem atualmente a UE é que os cidadãos não sabem exatamente o que faz e por vezes vê-se responsabilizada por problemas que têm origem em decisões tomadas pelos Estados-membros.

Para Schulz, não se trata de pedir "mais Europa", mas sim de definir com clareza "o que os cidadãos podem esperar da UE".

A União Europeia, segundo Schulz, deve concentrar-se em assuntos que os Estados-membros não podem resolver em separado e não entreter-se com problemas que podem solucionar-se no âmbito regional ou nacional.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.