sicnot

Perfil

Mundo

A ovelha Dolly nasceu há 20 anos

Há 20 anos, o nascimento da mais famosa ovelha do mundo fez tremer governos e religiões. Falou-se no fim do mundo, mas afinal não nasceram clones humanos e a tecnologia utilizada ajudou a conhecer melhor as doenças e o início da vida.

Reuters

Nascida a 5 de julho de 1996, o anúncio desta estranha forma de vida só aconteceu em fevereiro do ano seguinte, condenando "Dolly" a ser perseguida pelos "paparazzi".

Isto porque a ovelha nasceu graças à clonagem de uma célula adulta, um feito que chegou a ser comparado à bomba atómica e espoletou nos homens o medo de serem "copiados".

Aparentemente igual a todos os ovinos, esta ovelha nasceu mais igual do que as outras, pois era semelhante à dadora da célula adulta que foi introduzida numa outra sem núcleo e de cuja junção resultou um embrião.

Esse embrião foi posteriormente implantado numa "ovelha de aluguer", que deu à luz a famosa Dolly.

"A criação da ovelha Dolly foi e continua a ser um marco paradigmático da biologia e da genética a nível mundial", disse à agência Lusa o especialista em bioética, Rui Nunes.

Para o presidente da Associação Portuguesa de Bioética, este nascimento demonstrou que "a ciência não tem limite" e só lamenta o "erro histórico" que se seguiu de querer reduzir o homem aos seus genes, proibindo a clonagem reprodutiva.

Para Rui Nunes, "a técnica não é suficientemente robusta e sofisticada para fazer nascer alguém sem problemas", como os registados na ovelha, que morreu em fevereiro de 2003 com sinais de envelhecimento precoce, carcinomas e doenças autoimunes.

Mas permitiu "aprofundar o conhecimento no sentido de criarmos de novo qualquer célula, tecido ou órgão humano".

"Com base neste conjunto de tecnologia, vamos ter uma pool de células, tecidos e órgãos vastíssima", adiantou.

O feito é igualmente elogiado por Carolino Monteiro, professor de Genética Molecular. Em declarações à Lusa, disse que este foi "um marco importantíssimo na mudança de mentalidades".

"Houve um choque profundo que levou a uma discussão internacional muito interessante e essa discussão também chegou a Portugal", afirmou.

Sobre os medos que acompanharam a revelação, o geneticista refere que não se concretizaram cópias de ditadores nem homens sem cabeça e tão pouco a clonagem resultou na reprodução de cães e gatos.

O especialista destacou as investigações que surgiram após a criação de Dolly, como ao nível das células estaminais, da sua existência e utilização, das aplicações ao nível da regeneração de tecidos e órgãos.

Dolly "ajudou a conhecer as doenças, o próprio fenómeno do início da vida e como os genes funcionam", concluiu.

Esta ovelha não foi o primeiro mamífero clonado, mas teve a particularidade de ser o primeiro a nascer através da transferência nuclear de uma célula (mamária) adulta (de uma ovelha com seis anos).

O seu nome foi uma homenagem à cantora Dolly Parton, conhecida pelo seu proeminente peito.

Após o anúncio da equipa de cientistas do Instituto Roslin, na Escócia, o debate aqueceu e produziram-se várias leis e convenções com vista à proibição da clonagem humana.

Em causa estavam o medo do eugenismo (criação de seres humanos perfeitos através da manipulação genética), do poder dos cientistas e da eterna busca pela perfeição.

Para ilustrar a temática, não faltaram imagens do exército nazi a lembrar como este perseguiu a ideia de criar seres perfeitos, assim como omparações do nascimento de Dolly à bomba atómica.

A inquietude atingiu o presidente dos Estados Unidos na altura, Bill Clinton, que proibiu a utilização de fundos federais para a clonagem humana.

O Vaticano pediu a condenação destas técnicas em humanos e as organizações internacionais - como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a UNESCO e a Comissão Europeia - solicitaram vários estudos sobre o assunto.

Ainda em 1997, o Conselho da Europa adotou um protocolo a proibir esta técnica em seres humanos.

Foi uma mistura explosiva de conceitos e debates éticos. Indiferente à discussão, a ovelha continuou a ser fotografada, estudada e condenada a ser uma estrela, mas os problemas de saúde, que atingem os animais clonados, não tardaram a tornar piores os seus dias.

O corpo de Dolly pode ser visto no Royal Museum of Scotland, em Edimburgo, onde está empalhada.

Para Rui Nunes, o nascimento de Dolly serviu para abrir um caminho a um conjunto de outras evoluções, que serão dramáticas, no sentido positivo, para a humanidade.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC