sicnot

Perfil

Mundo

A ovelha Dolly nasceu há 20 anos

Há 20 anos, o nascimento da mais famosa ovelha do mundo fez tremer governos e religiões. Falou-se no fim do mundo, mas afinal não nasceram clones humanos e a tecnologia utilizada ajudou a conhecer melhor as doenças e o início da vida.

Reuters

Nascida a 5 de julho de 1996, o anúncio desta estranha forma de vida só aconteceu em fevereiro do ano seguinte, condenando "Dolly" a ser perseguida pelos "paparazzi".

Isto porque a ovelha nasceu graças à clonagem de uma célula adulta, um feito que chegou a ser comparado à bomba atómica e espoletou nos homens o medo de serem "copiados".

Aparentemente igual a todos os ovinos, esta ovelha nasceu mais igual do que as outras, pois era semelhante à dadora da célula adulta que foi introduzida numa outra sem núcleo e de cuja junção resultou um embrião.

Esse embrião foi posteriormente implantado numa "ovelha de aluguer", que deu à luz a famosa Dolly.

"A criação da ovelha Dolly foi e continua a ser um marco paradigmático da biologia e da genética a nível mundial", disse à agência Lusa o especialista em bioética, Rui Nunes.

Para o presidente da Associação Portuguesa de Bioética, este nascimento demonstrou que "a ciência não tem limite" e só lamenta o "erro histórico" que se seguiu de querer reduzir o homem aos seus genes, proibindo a clonagem reprodutiva.

Para Rui Nunes, "a técnica não é suficientemente robusta e sofisticada para fazer nascer alguém sem problemas", como os registados na ovelha, que morreu em fevereiro de 2003 com sinais de envelhecimento precoce, carcinomas e doenças autoimunes.

Mas permitiu "aprofundar o conhecimento no sentido de criarmos de novo qualquer célula, tecido ou órgão humano".

"Com base neste conjunto de tecnologia, vamos ter uma pool de células, tecidos e órgãos vastíssima", adiantou.

O feito é igualmente elogiado por Carolino Monteiro, professor de Genética Molecular. Em declarações à Lusa, disse que este foi "um marco importantíssimo na mudança de mentalidades".

"Houve um choque profundo que levou a uma discussão internacional muito interessante e essa discussão também chegou a Portugal", afirmou.

Sobre os medos que acompanharam a revelação, o geneticista refere que não se concretizaram cópias de ditadores nem homens sem cabeça e tão pouco a clonagem resultou na reprodução de cães e gatos.

O especialista destacou as investigações que surgiram após a criação de Dolly, como ao nível das células estaminais, da sua existência e utilização, das aplicações ao nível da regeneração de tecidos e órgãos.

Dolly "ajudou a conhecer as doenças, o próprio fenómeno do início da vida e como os genes funcionam", concluiu.

Esta ovelha não foi o primeiro mamífero clonado, mas teve a particularidade de ser o primeiro a nascer através da transferência nuclear de uma célula (mamária) adulta (de uma ovelha com seis anos).

O seu nome foi uma homenagem à cantora Dolly Parton, conhecida pelo seu proeminente peito.

Após o anúncio da equipa de cientistas do Instituto Roslin, na Escócia, o debate aqueceu e produziram-se várias leis e convenções com vista à proibição da clonagem humana.

Em causa estavam o medo do eugenismo (criação de seres humanos perfeitos através da manipulação genética), do poder dos cientistas e da eterna busca pela perfeição.

Para ilustrar a temática, não faltaram imagens do exército nazi a lembrar como este perseguiu a ideia de criar seres perfeitos, assim como omparações do nascimento de Dolly à bomba atómica.

A inquietude atingiu o presidente dos Estados Unidos na altura, Bill Clinton, que proibiu a utilização de fundos federais para a clonagem humana.

O Vaticano pediu a condenação destas técnicas em humanos e as organizações internacionais - como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a UNESCO e a Comissão Europeia - solicitaram vários estudos sobre o assunto.

Ainda em 1997, o Conselho da Europa adotou um protocolo a proibir esta técnica em seres humanos.

Foi uma mistura explosiva de conceitos e debates éticos. Indiferente à discussão, a ovelha continuou a ser fotografada, estudada e condenada a ser uma estrela, mas os problemas de saúde, que atingem os animais clonados, não tardaram a tornar piores os seus dias.

O corpo de Dolly pode ser visto no Royal Museum of Scotland, em Edimburgo, onde está empalhada.

Para Rui Nunes, o nascimento de Dolly serviu para abrir um caminho a um conjunto de outras evoluções, que serão dramáticas, no sentido positivo, para a humanidade.

Lusa

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.