sicnot

Perfil

Mundo

Centrais a carvão da União Europeia provocam 23 mil mortos por ano

As centrais de carvão na União Europeia são responsáveis por quase 23 mil mortos por ano e por gastos na saúde de milhões de euros, denuncia um relatório elaborado por várias organizações não-governamentais.

© Dado Ruvic / Reuters

Intitulado "A nuvem negra da Europa: como os países que utilizam carvão põem doentes os seus vizinhos", o relatório analisa os impactos na saúde, em 2013, de 257 centrais europeias.

O carvão foi responsável por 18% das emissões de gases com efeito de estufa na União Europeia, em 2014.

Em 2013, as emissões das centrais que utilizam aquele combustível fóssil provocaram 22.900 mortos prematuros, mas também dezenas de milhares de casos de doenças cardíacas, bronquites e cancros, refere o relatório, elaborado pela WWF, Climate Action Network, Heal (Aliança para a Saúde e Ambiente) e Sandbag.

"Mais de metade das mortes prematuras na União Europeia podem ser atribuídas a 30 centrais que utilizam carvão", sublinha o relatório.

Segundo o relatório, os custos na saúde devido ao impacto da utilização daquele combustível variam entre os "32,4 e os 62,3 mil milhões de euros".

Os cinco países mais afetados pela poluição do carvão proveniente de países vizinhos são a Alemanha (3.630 mortes), Itália (1.610), França (1.380), Grécia (1.050) e na Hungria (700).

"A França usa pouco os combustíveis fósseis no seu cabaz energético, mas é muito atingida pelas centrais dos seus vizinhos", refere o relatório.

Os cinco países cujas centrais provocaram mortes nos países vizinhos são a Polónia, com 4.690 mortes, Alemanha, com 2.490, Roménia, com 1.660, Bulgária, com 1.390, e Reino Unido, com 1.350.

As partículas finas são o "ingrediente mais tóxico" da poluição por carvão, tendo provocado a morte a 19.000 pessoas.

Aquelas partículas afetam o sistema respiratório e o sangue e podem voar "centenas de quilómetros", refere o documento.

Quanto ao mercúrio produzido pela combustão daquele tipo de combustível, é responsável por "danificar o sistema nervoso de milhares de fetos na Europa todos os anos", sublinha o relatório.

"A poluição do ar é responsável por milhões de mortos no mundo inteiro" e o aquecimento global veio "agravar o problema", sublinhou Roberto Bertollini, representante da Organização Mundial de Saúde junto da União Europeia.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.