sicnot

Perfil

Mundo

China testa ponte de vidro com martelos e carro de 2 toneladas

Depois de 20 voluntários baterem à martelada contra o vidro da maior ponte de vidro do mundo, na China, um veículo SUV de duas toneladas e com 11 passageiros andou sobre os panéis rachados. Tudo, para que fique comprovada a segurança da estrutura, no Parque Nacional de Zhangjiajie.

reuterseuters

Reuters

Reuters

Foi o mais recente "teste de segurança" feito à ponte, de 393 metros de extensão e suspensa a 360 metros de altura - 20 voluntários arremataram martelos contra os painéis de vidro, e um Volvo XC90 SUV com 11 pessoas passou depois sobre o vidro rachado.

Tal como muitas outras pontes de vidro do mundo, a ponte do grande desfiladeiro de Zhangjiajie tem panéis de vidro com múltiplas camadas. Cada painel tem cerca de 3m por 4,5m e uma espessura de 15 mm.

Os "testes" estão a ser feitos nas vésperas da inauguração, a decorrer este mês, para dissipar qualquer receio de sgurança entre o público.

A ponte foi desenhada pelo arquiteto israelita Haim Dotan e custou cerca de de 60 milhões de euros.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.