sicnot

Perfil

Mundo

Hungria anuncia referendo sobre relocalização de refugiados na UE

No dia 2 de outubro, os húngaros serão chamados a responder à pergunta: "Querem que a União Europeia decrete uma relocalização obrigatória de cidadãos não-húngaros sem a aprovação do parlamento húngaro?".

© John Schults / Reuters

A Hungria vai realizar, no dia 2 de outubro, um referendo sobre o plano de relocalização dos migrantes entre os Estados-membros da UE, anunciou hoje a presidência húngara, em declaração oficial do presidente Janos Ader.

Pretende-se que os cidadãos húngaros decidam se o parlamento terá, ou não, poder de aprovação sobre o decreto da União Europeia, que prevê a relocalização de 160 mil refugiados nos Estados-membros, que estão neste momento na Grécia e em Itália e que serão distribuídos pelos países europeus aceitem receber migrantes.

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, opõe-se à aplicação do plano da UE, justificando com a presença de terroristas entre os refugiados. O Governo de Budapeste tinha já anunciado, no início deste ano, que pretendia referendar esta mesma questão.

Os húngaros vão ser chamados a responder à seguinte pergunta: "Querem que a União Europeia decrete uma relocalização obrigatória de cidadãos não-húngaros na Hungria sem a aprovação do parlamento húngaro?".

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.