sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Geórgia assinam acordo de defesa bilateral

Os Estados Unidos e a Geórgia assinaram hoje em Tbilissi um acordo de segurança bilateral destinado a reforçar as capacidades de defesa deste pequeno país do Cáucaso e ex-república soviética, que tem manifestado inquietação face à Rússia.

John Kerry, secretário de Estado dos Estados Unidos da América, e Georgy Margvelashvili, Presidente da Geórgia

John Kerry, secretário de Estado dos Estados Unidos da América, e Georgy Margvelashvili, Presidente da Geórgia

© David Mdzinarishvili / Reuter

A assinatura deste "memorando sobre o reforço das relações de defesa e de segurança entre os Estados Unidos e a Geórgia" decorreu durante um encontro entre o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e o primeiro-ministro georgiano Guiorgui Kvirikachvili.

Esta parceria de defesa, precisou o Departamento de Estado, "reafirma e alarga a cooperação em matéria de defesa e de segurança entre a Geórgia e os Estados Unidos".

"A nossa parceria é inquebrantável e determinada. O povo georgiano escolheu e pretende um futuro euro-atlântico. Os Estados Unidos apoiam esse objetivo", disse John Kerry durante a assinatura do acordo.

Na resposta, o chefe do Governo de Tbilissi considerou que a visita de Kerry "reforça as nossas relações bilaterais", e definiu a parceria como "indispensável para o reforço da segurança e as capacidades de defesa da Geórgia", que com frequência se refere aos eventuais objetivos expansionistas do seu vizinho russo.

O chefe da diplomacia de Washington efetua uma visita de dois dias à Geórgia antes de se deslocar à Ucrânia, com o objetivo de assegurar aos dois países ex-soviéticos o apoio da NATO antes da cimeira da Aliança na Polónia.

Kerry deve ainda encontrar-se em Tbilissi com o Presidente georgiano Guiorgui Margvelachvili, que com o seu homólogo ucraniano Petro Poroshenko vai assistir à cimeira da NATO.

À semelhança da Ucrânia, a Geórgia espera integrar a aliança atlântica apesar da oposição de Moscovo e quando os dois países mantêm contenciosos territoriais com o seu poderoso vizinho, presente em parte dos seus territórios que declararam a secessão.

Em 2008 a Geórgia envolveu-se num breve conflito com a Rússia e desde então tropas russas estão estacionadas na Abkházia e Ossétia do Sul, duas regiões secessionistas da Geórgia.

A Rússia, confrontada com a crescente presença de forças da NATO junto às suas fronteiras, tem-se oposto de forma determinada à entrada da Geórgia na aliança atlântica.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46