sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch diz que a NATO deve proteger melhor os civis afegãos

A NATO deve proteger melhor os civis no conflito afegão, defendeu hoje a Human Rights Watch (HRW), antes de uma cimeira na Polónia que tem como objetivo renovar o apoio internacional ao exército afegão.

© Reuters Photographer / Reuter

O comunicado da organização de defesa dos direitos humanos veio na sequência do aviso severo do Presidente afegão, Ashraf Ghani, aos talibãs para se juntarem às negociações de paz "ou enfrentarem as consequências".

Com cerca de 11.000 civis mortos em 2015, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os governos da Organização do Tratado do Atlântico Norte têm "uma oportunidade crucial" para ajudar a parar a espiral de violência, disse o diretor da HRW da Ásia, Brad Adams.

"A NATO devia cumprir as suas promessas e tomar medidas concretas para ajudar a proteger os civis afegãos do conflito armado", disse o diretor antes da cimeira que se vai realizar na Polónia, na sexta e no sábado.

A organização de direitos humanos denunciou também o uso de crianças no conflito, tanto pelos talibãs, como pelo governo afegão.

Em particular, reprovou a ocupação de escolas pelas forças afegãs, revelando que tinham recentemente identificado o uso de muitos edifícios escolares como bases militares na província nortenha de Baghlan.

A Missão de Assistência da ONU do Afeganistão (UNAMA) também relatou que 20 escolas tinham sido ocupadas pelo exército ou pelos rebeldes no último ano.

"Com demasiada frequência, as escolas tornam-se campos de batalha", lamentou a HRW.

O impacto devastador na educação afetou desproporcionalmente as raparigas, a quem não é permitido frequentar escolas ocupadas por soldados, lê-se do documento.

A ONU disse que os casos de recrutamento de crianças mais do que duplicaram em 2015 comparativamente com o ano anterior.

Questionado sobre que "medidas concretas" é que a NATO podia tomar para abrandar o recrutamento, o representante da organização em Cabul, Ismail Aramaz, disse que a organização insistiu com os seus parceiros afegãos para levarem os responsáveis à justiça.

"Mas cabe aos afegãos decidir como é que tais atos podem ser penalizados", acrescentou.

Num comunicado publicado hoje, Ghani propôs aos talibãs que fizessem parte das negociações de paz.

Os rebeldes intensificaram a guerra de quase 15 anos desde que a NATO tirou a maioria das suas forças do país no final de 2014, quando um processo de paz que nascia estagnou.

"A porta está aberta... não queremos derramar sangue", disse Ghani.

Mas, acrescentou que, se os talibãs rejeitarem a proposta eles devem "enfrentar as consequências".

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.