sicnot

Perfil

Mundo

Obama atrasa retirada militar do Afeganistão

O Presidente dos EUA anunciou hoje que não vai diminuir a presença das tropas norte-americanas no Afeganistão uma vez que a situação se mantém "perigosa". Até ao final de 2016, que coincide com o fim do seu mandato, permanecem no terreno 8400 soldados.

© Jonathan Ernst / Reuters

"Os talibãs continuam a ser uma ameaça (...). As forças de segurança afegãs ainda não são tão fortes como deveriam sê-lo", sublinhou Obama durante uma declaração na Casa Branca, na presença do chefe do Pentágono, Ashton Carter, e do chefe de estado-maior das Forças Armadas, general Joe Dunford.

"Em vez de uma redução para 5.500 tropas para o final deste ano, os Estados Unidos vão manter aproximadamente 8.400 tropas no Afeganistão no próximo ano e até ao final da minha administração", disse em conferência de imprensa.

A Casa Branca tinha-se comprometido em manter, a partir de 2017, 5.500 soldados num número reduzido de bases, incluindo Bagram (perto de Cabul), Jalalabad (leste) e Kandahar (sul).

"A decisão que hoje tomei permitirá ao meu sucessor apoiar-se em bases sólidas para continuar a obter progressos no Afeganistão, e possuir a flexibilidade necessária para responder à evolução da ameaça terrorista", acrescentou Obama, eleito em 2008 com a promessa de pôr fim às duas guerras do Iraque e Afeganistão.

"Não deixarei que o Afeganistão seja utilizado como um refúgio para terroristas", sustentou, ao retomar uma fórmula já utilizada em diversas ocasiões.

Apesar de a intervenção em larga escala desencadeada após os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos ter sido oficialmente concluída em 2014, Obama foi forçado a ajustar por diversas vezes o calendário de retirada das tropas.

As primeiras discussões diretas entre o Governo de Cabul e os talibãs decorreram em julho de 2015, mas a segunda sessão foi adiada 'sine die' após o anúncio da morte do mullah Omar, fundador do movimento talibã.

Os insurgentes exigem a retiraram dos cerca de 13.000 militares estrangeiros ainda deslocados no Afeganistão como condição prévia ao recomeço das negociações.

Mais de 2.300 soldados norte-americanos foram mortos no Afeganistão, a mais longa intervenção militar dos Estados Unidos fora das suas fronteiras.

  • "Temos de jogar melhor do que frente à Espanha"
    0:45
  • Ronaldo é o jogador que mais preocupa os marroquinos
    2:35
  • Recorda-se de Tahar? O ex-futebolista marroquino que já jogou em Portugal
    6:10
  • "Somos 11 milhões, queremos ser campeões e as russas são grandes canhões"
    3:54
  • Denis Cheryshev: o orgulho dos anfitriões

    Mundial 2018 / Rússia

    O avançado Denis Cheryshev foi eleito o Homem do Jogo entre Rússia e Egito, que os russos venceram por 3-1. Marcou o segundo golo dos anfitriões, o terceiro em nome próprio no Mundial e juntou-se a Cristiano Ronaldo no topo da lista de melhores marcadores. Aos 27 anos e a jogar o primeiro Mundial da carreira, Cheryshev continua a assumir-se como um dos principais rostos da esperança russa para o sucesso desta campanha. Depois de já ter sido o melhor em campo no triunfo sobre a Arábia Saudita, a nação anfitriã vê-o como uma espécie de porta-estandarte do orgulho russo na defesa da pátria.

  • Gato Achilles acerta no resultado do Rússia-Egito

    Desporto

    O gato Achilles é o adivinho dos jogos do Mundial na Rússia. Depois de ter acertado na vitória da Rússia frente à Arábia Saudita, o felino voltou a apostar na equipa certa, com os russos a vencerem esta terça-feira o Egipto por 3-1.

  • "Não tenho que debater nada com Bruno de Carvalho, só tenho que fazer cumprir os estatutos" 
    10:43
  • "Quando o Cristiano Ronaldo te convidar para almoçar, recusa"

    Desporto

    Na possibilidade de ser convidado por Cristiano Ronaldo para um almoço ou jantar, recuse. Este é o conselho de Patrice Evra, que revelou o "sofrimento" que passou quando aceitou almoçar em casa do capitão da seleção nacional, na altura em que ambos jogavam pelo Manchester United. O jogador francês falou sobre a comida "demasiado saudável" e o exercício que acabou por ter de fazer, enquanto podia estar a descansar.

    SIC

  • Ronaldo no País dos Sovietes: O espetáculo fora das quatro linhas
    2:30
  • "Quero ir com a minha tia", o desespero das crianças afastadas dos pais nos EUA
    2:11