sicnot

Perfil

Mundo

Pistorius condenado a 6 anos de prisão pela morte da namorada

Oscar Pistorius foi condenado a 6 anos de prisão pela morte da sua namorada, Reeva Steenkamp. A sentença foi hoje anunciada pela juíza Thokozile Masipa. É o culminar do mais mediático julgamento na África do Sul.

© POOL New / Reuters

A juíza Thokozile Masipa, cuja primeira sentença foi anulada pelo Supremo, defende na nova resolução que o condenado "não é uma pessoa violenta" e mostrou arrependimento e disposição para realizar trabalhos sociais.

"É um herói caído, perdeu a carreira e a sua paz, a sua vida nunca mais voltará a ser a mesma", argumentou a magistrada para justificar uma sentença inferior ao mínimo de 15 anos, prevista pela Justiça sul-africana para um crime de homicídio.

Na opinião de Masipa, Pistorius é "um bom candidato para a reabilitação", como demonstrou no ano que passou na prisão, durante o qual "superou com êxito" vários programas de reinserção.

Existem "muitos mais" fatores atenuantes, como o auxílio imediato que prestou à vítima e o "verdadeiro arrependimento" que a juíza considerou ter sido demonstrado pelas desculpas públicas apresentadas pelo atleta. Pistorius tentou também pedir desculpa à família da namorada, que recusou receber o atleta.

Oscar Pistorius matou a namorada a 14 de fevereiro de 2013, com quatro tiros através da porta da casa de banho da sua casa de Pretoria.

O corredor alegou ter confundido Reeva Steenkamp com um intruso e disparado em pânico, uma versão aceite pela juíza Thokozile Masipa, que o condenou, no final de 2014, a cinco anos de prisão efetiva por homicídio involuntário.

Pistorius cumpriu cerca de um ano na prisão, antes de ser colocado em regime de residência vigiada, previsto na lei sul-africana.

O Supremo anulou a sentença da primeira instância ao considerar que houve intenção de matar, sabendo ou não quem estava do outro lado da porta da casa de banho, e declarou o atleta culpado de homicídio voluntário.

A sentença de hoje aumenta em um ano a condenação inicial, mas recusa a pena mínima de 15 anos de prisão, pedida pelo Ministério Público. A defesa já anunciou que não vai recorrer.

Quinze anos de prisão é a pena mínima prevista pela lei sul-africana para homicídio, mas os juízes têm o direito de decidir uma pena menor em circunstâncias excecionais.

Com Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.