sicnot

Perfil

Mundo

Principais conclusões do inquérito ao envolvimento britânico na Guerra do Iraque

O relatório Chilcot sobre o envolvimento do Reino Unido na Guerra do Iraque de 2003, publicado hoje, critica o então primeiro-ministro Tony Blair por implicar o país num conflito mal planeado, mal executado e legalmente questionável.

© POOL New / Reuters

As principais conclusões da investigação dirigida ao longo de sete anos por John Chilcot são as seguintes:

- O Reino Unido "escolheu juntar-se à invasão do Iraque antes de esgotar as opções pacíficas para um desarmamento. A ação militar não era, na altura, o último recurso".

- Em 2003, não havia uma ameaça iminente de Saddam Hussein. Uma "estratégia de contenção podia ser seguida durante algum tempo".

- Oito meses antes da invasão, a 28 de julho de 2002, Blair escreveu ao Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, para o assegurar de que estaria com ele "aconteça o que acontecer".

- Em nenhum momento, Blair "insistiu com o Presidente Bush para ter garantias sólidas sobre os planos norte-americanos".

- Nessa fase, Blair envolveu o país numa atividade diplomática tal que teria sido "muito difícil" recuar no apoio aos Estados Unidos.

- "É hoje claro que a estratégia no Iraque se baseou em informações e estimativas deficientes que não foram questionadas como deviam ter sido".

- "As conclusões sobre a gravidade da ameaça colocada por armas de destruição maciça do Iraque foram apresentadas com uma certeza que não era justificada".

- Os responsáveis dos serviços de informações britânicos "deviam ter indicado claramente que as informações não determinaram sem margem para dúvidas que o Iraque continuava a produzir armas químicas e biológicas ou que prosseguia esforços para produzir armas nucleares".

- Sobre o relatório dos serviços secretos britânicos de setembro de 2002 que afirmava que o Iraque dispunha de armas de destruição maciça que podiam ser acionadas em 45 minutos, o relatório Chilcot diz "não haver provas de que as informações tenham sido inseridas de modo inapropriado no processo ou que [o gabinete do primeiro-ministro] tenha influenciado o texto de maneira inconveniente".

- Na fase pós-invasão, "o governo falhou na avaliação da amplitude dos esforços necessários para estabilizar, administrar e reconstruir o Iraque e as responsabilidades que incumbiam ao Reino Unido".

- "O governo não estava preparado para o papel em que o Reino Unido se viu a partir de abril de 2003. A maior parte do que correu mal a partir daí tem origem nessa falta de preparação".

- "Apesar das advertências, as consequências da invasão foram subestimadas".

- Os recursos militares empenhados foram insuficientes e inadaptados. O Ministério da Defesa "mostrou-se lento a responder à ameaça representada pelos engenhos explosivos improvisados e os atrasos registados no fornecimento de veículos de patrulha blindados adequados não deviam ter sido tolerados".

Mais de 150.000 iraquianos morreram entre 2003 e 2009, ano em que o Reino Unido retirou o grosso das duas tropas do Iraque. No mesmo período, 179 soldados britânicos morreram.

Cerca de 120.000 soldados britânicos serviram no Iraque durante o conflito que pôs fim ao regime de Saddam Hussein. As tropas de combate retiraram em julho de 2009 e as últimas forças, de treino e aconselhamento, partiram em maio de 2011.

Enquanto John Chilcot apresentava publicamente as conclusões da investigação, que levou sete anos a ser concluída, mais de 100 manifestantes pacifistas protestavam junto ao local onde decorreu a conferência de imprensa.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.