sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch insta EUA a aplicar sanções a mais dirigentes norte-coreanos

A organização internacional Human Rights Watch considerou hoje "um importante passo" as novas sanções dos Estados Unidos ao líder da Coreia do Norte mas instou Washington a estender a lista de violadores dos direitos humanos neste país.

© KCNA KCNA / Reuters

"São um importante passo em frente na hora de conseguir justiça para as inúmeras vítimas das violações dos direitos humanos na Coreia do Norte", afirmou Phil Robertson, subdiretor da HRW na Ásia, num comunicado para avaliar as sanções anunciadas na quarta-feira pelo Departamento do Tesouro norte-americano.

As sanções do Departamento do Tesouro norte-americano afetam Kim Jong-un, outros dez funcionários norte-coreanos e cinco entidades do país e resultam no congelamento das propriedades que possam ter dentro da jurisdição norte-americana e a proibição aos cidadãos dos Estados Unidos de se envolverem em transações financeiras com eles.

"Os Estados Unidos devem realizar mais investigações e expandir ainda mais a lista", disse o representante da HRW.

Além disso, a organização não-governamental (ONG) instou o Governo de Barack Obama a "enviar às autoridades da Coreia do Norte a clara mensagem de que as suas decisões de violar os direitos terão consequências porque o mundo observa-os de perto e julgará [os seus atos]".

O valor simbólico destas sanções reside na inclusão de Kim Jong-un na lista de líderes sancionados pelos Estados Unidos por abusos de direitos humanos, como o sírio Bashar Al Asad, o líbio Muammar Khadafi, o iraquiano Saddam Hussein e o zimbabuano Robert Mugabe.

Na prática, espera-se que dificultem ainda mais as transações da Coreia do Norte em bancos e entidades financeiras internacionais e acabem com o "anonimato" sob o qual operam muitos dos funcionários identificados na terça-feira como violadores de direitos humanos, segundo Washington.

Entre os dez responsáveis designados, as sanções atingem o ministro da Segurança, Choe Pu Il, o seu conselheiro, Ri Song Chol, e o diretor do gabinete do Ministério da Segurança de Estado, Kang Song Nam.

Cinco entidades, incluindo o Ministério da Organização, responsável pela censura, também foram acrescentados à lista negra norte-americana.

A Coreia do Norte já está submetida a diversas sanções internacionais, em particular norte-americanas, pelos seus programas nuclear e balístico.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.